Juliana Alves celebra primeiro beijo entre homem trans e mulher cis em novela: ‘Símbolo de amor’

0
22


Atriz, que protagonizou a cena com Bernardo de Assis, falou de cena exibida em ‘Salve-se Quem Puder’

Reprodução/Globo/15.07.2021 Juliana Alves celebrou a cena que protagonizou com Bernardo de Assis

O primeiro beijo em uma novela brasileira protagonizado por um homem trans e uma mulher cis foi exibido na noite de quarta-feira, 14, em “Salve-se Quem Puder”, trama exibida na faixa das 19h, na Globo. A atriz Juliana Alves, que realizou a cena com o ator Bernardo de Assis, celebrou o fato de participar desse momento representativo para a teledramaturgia brasileira. “Qual a força do beijo? Grande símbolo do amor, o beijo pode representar muito mais que um gesto de carinho. Um beijo pode ser transformação e também luta. Me sinto muito honrada em fazer parte dessa cena emblemática na história da teledramaturgia”, escreveu a intérprete de Renatinha no Instagram. Além de ser o primeiro beijo entre um homem trans e uma mulher cis, esse também é o primeiro beijo trans interracial da televisão aberta. “É gratificante para mim, enquanto atriz, poder usar o meu trabalho para trazer representatividade e ajudar a normalizar o amor em todas as suas formas.”

Juliana continuou seu relato explicando por que esse beijo é algo tão simbólico. “Em um país que aumentou a violência contra mulheres negras e no país que mais mata pessoas LGBTQIA+ no mundo, essa cena simboliza o reconhecimento do nosso direito de ter uma vida digna e de ser feliz. Reverencio Glamour Garcia (atriz do primeiro beijo trans-cis na televisão brasileira), Rogéria (primeira pessoa trans na TV do país) e, principalmente, meu companheiro de cena Bernardo de Assis, que emprestou todo seu talento ao Catatau para tornar possível esse trabalho incrível”, concluiu a atriz que também agradeceu ao autor de “Salve-se Quem Puder”, Daniel Ortiz. “O amor ainda é possível”, comentou Bernardo. Juliana Paiva, uma das protagonistas da novela, também celebrou a cena: “Amor é amor”.





Fonte: Jovem Pan