Elenco de ‘Reação em Cadeia’ diz que filme pode competir com longas de ação norte-americanos

0
20


Bruno Gissoni, Monique Alfradique e André Bankoff elogiam o trabalho do diretor Márcio Garcia e falam sobre as nuances de romance e crítica social da produção

Divulgação/Paris Filmes“Reação em Cadeia”, dirigido por Márcio Garcia, chegou aos cinemas de todo o Brasil na última quinta-feira, 16

Para o elenco de “Reação em Cadeia”, que estreou nos cinemas brasileiros na última quinta-feira, 16, o longa é um marco para o mercado brasileiro, ao mirar no ousado objetivo de competir com filmes de ação norte-americanos. Em entrevista exclusiva à Jovem Pan, o protagonista Bruno Gissoni brinca que não tem desejo de fazer um filme Hollywoodiano, já que teve essa experiência no Brasil. “É um filme feito com uma forma brasileira, porque a gente não tem essa verba aqui, essa ‘mordomia’ que eles têm para executar um filme”, aponta. “É uma nova realidade pro cinema brasileiro, e é um filme, sim, pioneiro, que mostra para o nosso mercado que somos capazes de executar um filme de ação, que tem romance, comédia e passa uma mensagem importante”, continua o ator.

André Bankoff, que vive Zulu na trama, ressalta a importância do diretor Márcio Garcia para a produção: “É um gênero pouco explorado e a gente está indo muito bem. O Márcio é um diretor que tem a mão para fazer filme de ação”. Ele ressalta, ainda, a similaridade da história com a realidade dos brasileiros, que convivem com a corrupção diariamente: “A gente sempre viveu e vive num cenário onde a gente aborda a questão da corrupção, então o filme foi gravado em 2018, mas ele vai conversar com você em 2025, 2028, porque ele aborda essas questões. É um cenário que a gente sempre viu, vive e talvez vá viver”, afirma.

Monique Alfradique, que interpreta Lara, fala sobre os outros cenários que o filme engloba, como o romance e algumas camadas de crítica social: “É um filme que tem a ação como pano de fundo, mas que tem várias nuances, tem uma crítica social, tem um romance, essa coisa da rivalidade entre os personagens, da competição, do ego. Eu acho que tem uma crítica em relação a tudo aí”. Além disso, ela lembra da analogia com a vida real feita pelo próprio diretor, afirmando que “todas as nossas escolhas geram uma consequência”. “Não só dos personagens, mas nossa mesmo também”, aponta a atriz.

Confira a conversa na íntegra:





Fonte: Jovem Pan