Bispos flamengos desafiam Vaticano e permitem abençoar uniões do mesmo sexo | Mundo

Bispos católicos flamengos emitiram nesta terça-feira um documento que permite efetivamente a bênção de uniões do mesmo sexo, desafiando diretamente uma decisão contra tais práticas do escritório doutrinário do Vaticano no ano passado.

O documento, publicado no site da conferência episcopal belga, sugere um ritual passo a passo que inclui uma oração e uma bênção para uniões estáveis do mesmo sexo, ao mesmo tempo em que enfatiza que não é “o que a Igreja entende por casamento sacramental”.

A publicação diz que a Igreja quer ser “pastoralmente próxima das pessoas homossexuais” e ser uma “Igreja acolhedora que não exclui ninguém”.

Também sugeriu um ritual que começa com orações e inclui um compromisso das duas pessoas na frente da família e amigos de serem fiéis um ao outro. O ritual termina com mais orações e o que o documento chama de “bênção”.

Pessoas se reúnem ao redor de uma bandeira do orgulho LGBT hasteada a meio mastro para uma vigília à luz de velas em memória das vítimas do ataque à boate Pulse em Orlando em 2016, nos EUA — Foto: Mike Blake/Reuters

Em março de 2021, em resposta a perguntas formais de várias dioceses católicas romanas sobre se a prática de abençoar uniões do mesmo sexo era permitida, o escritório doutrinário do Vaticano, a Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), negou a permissão.

Na ocasião, a CDF disse que sua decisão “não pretendia ser uma forma de discriminação injusta, mas sim um lembrete da verdade do rito litúrgico” do sacramento do matrimônio e a bênção associada a ele.

O papa Francisco disse que se opõe ao casamento entre pessoas do mesmo sexo na Igreja, mas apoia a legislação da união civil para dar aos casais do mesmo sexo proteção legal e direitos como herança e cuidados de saúde compartilhados.

Ariel Palacios explica a origem da bandeira LGBT, que leva as cores do arco-íris

Ariel Palacios explica a origem da bandeira LGBT, que leva as cores do arco-íris

O documento dos bispos flamengos diz que alguns homossexuais católicos permanecem celibatários e que a Igreja aprecia isso. A Igreja ensina que, embora a orientação homossexual não seja pecaminosa, os atos homossexuais são.

Mas o documento acrescenta que “alguns preferem viver em casal, em união duradoura e fiel com um parceiro” e que tal relação “pode ser também fonte de paz e felicidade compartilhada”.

Os bispos criticaram a “violência homofóbica” e disseram que queriam “ancorar estruturalmente seu compromisso pastoral com as pessoas homossexuais”.

Fonte: Pop & Arte