Adidas rompe parceria com Kanye West após rapper ter atitudes antissemitas

Ex-marido de Kim Kardashian teve contas do Twitter e do Intagram banidas por causa dos seus posts

Reprodução/TwitterKanye West
Kanye West fez uma parceria com a Adidas há sete anos que resultou na linha Yeezy

O rapper Kanye West, também conhecido como Ye, está arcando com as consequências das suas recentes declarações antissemitas. Após a CAA (Creative Artists Agency) anunciar que não representará mais o artista e o estúdio MRC optar por não prosseguir com a distribuição de um documentário sobre West, a Adidas decidiu encerrar sua parceria com o rapper. “A Adidas não tolera antissemitismo e qualquer outro tipo de discurso de ódio. Os comentários e ações recentes de Ye foram inaceitáveis, odiosos e perigosos, e violam os valores da empresa de diversidade e inclusão, respeito mútuo e justiça”, informou a empresa em um comunicado divulgado pela Variety. A marca esportiva e o rapper se uniram pela primeira vez há sete anos para uma colaboração que resultou na linha Adidas Yeezy. Essa parceria foi muito importante para o cantor ganhar destaque no mundo da moda. A empresa declarou que sabe o impacto financeiro que esse rompimento irá causar, principalmente pelo fato de que irão parar de produzir os produtos Yeezy em uma época de alta demanda – considerando a Black Friday em novembro e o Natal em dezembro –, mas acreditam que em um curto período irão se recuperar. A Adidas salientou que são “os únicos proprietários dos direitos de design”, dando a entender que West não poderá reproduzir os produtos com um novo fabricante. Nas últimas semanas, o cantor fez comentários controversos que foram vistos como uma ameaça ao povo judeu, o que resultou na restrição de suas contas no Twitter e no Instagram. A influenciadora Kim Kardashian, ex-mulher de West, chegou a se posicionar sobre o assunto: “Discurso de ódio nunca é ok ou perdoável. Eu estou com comunidade judaica e peço que a terrível violência e retórica de ódio contra eles tenha seu fim imediato”.



Fonte: Jovem Pan