Vento com forças violentas chegam e trazem prejuízos

Não há precedentes na história recente de um ciclone tão profundo em meses frios do ano. Trata-se de uma situação meteorológica extraordinária e que demanda muita atenção pelos riscos potenciais violentos.

Semana de frio no país e você já deve ter visto e também recebido muitas informações de origem duvidosa ou bastante exageradas, nas redes sociais e apps de mensagens, sobre a onda de frio que chega ao Brasil nos próximos dias. Por isso, listamos abaixo, dentre essas falas que estão circulando pela internet, o que é FATO ou FAKE sobre a onda de frio no Brasil!

Não se trata da “onda de frio mais intensa do século” ou “a maior onda de frio dos últimos 100 anos” e nem “o maior frio da sua vida” conforme as notícias que têm circulado. Não há precedentes na história recente de um ciclone tão profundo em meses frios do ano na latitude do como o que os modelos projetam para a semana. Trata-se de uma situação meteorológica extraordinária e que demanda do público e autoridades muita atenção pelos riscos potenciais.

A reprodução em parte dos conteúdos da MetSul é autorizada desde que citada a fonte e publicado o hyperlink para o original https://metsul.com/violento-ciclone-pode-trazer-vento-com-forca-de-furacao/ .

Na noite desta segunda-feira (16), poderá ocorrer a formação de ciclone subtropical na costa do Rio Grande do Sul. A evolução desse sistema ao longo da terça-feira (17), o classifica como Tempestade Subtropical “Yakecan” com rajadas de vento que podem superar os 100 km/h.

A Marinha do Brasil, em colaboração com o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), o Centro Integrado de Meteorologia Aeronáutica da Força Aérea Brasileira (CIMAER/FAB), Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE), o Serviço Meteorológico Nacional (SMN) da Argentina e o International Desk do National Oceanographic and Atmospheric Administration (NOAA) informa que na noite do dia 16 de maio poderá ocorrer a formação de um ciclone subtropical, em alto-mar, na posição 38°S 045°W, aproximadamente a 485 milhas náuticas (900 km) a sudeste da costa do estado do Rio Grande do Sul.

O sistema será classificado como Tempestade Subtropical, sendo atribuído o nome “Yakecan”, com ventos estimados de 48 nós (88 km/h) nos setores sul e sudoeste e de 40 nós (75 km/h) nos setores noroeste e norte do sistema. O deslocamento previsto para o sistema é para oeste/noroeste, em direção à costa, ocasião na qual poderá ser classificado como Tempestade Tropical, a partir da noite do dia 17 até a noite do dia 18 de maio.

A expressão “Yakecan” significa “o som do céu” em tupi-guarani. A nomenclatura foi oficialmente estabelecida por meio do Aviso Especial nº 356/2022, publicado no site do CHM, conforme a relação de nomes que consta nas Normas da Autoridade Marítima para as Atividades de Meteorologia Marítima nº19 (NORMAM-19), disponível em https://www.marinha.mil.br/dhn/?q=pt-br/normas-legislacoes.

O referido sistema poderá provocar ventos intensos nas proximidades do litoral do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, ao sul de Laguna, podendo atingir 60 nós (110 km/h), entre as manhãs dos dias 15 e 19, e poderá atingir 45 nós (80 km/h) no litoral de Santa Catarina, ao norte de Laguna, e do Rio de Janeiro, ao sul de Arraial do Cabo, entre a noite do 16 e a manhã do dia 19 de maio.

Há previsão de mar grosso a muito grosso, com alturas de ondas entre 3,0 e 6,0 metros, em alto-mar, entre os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, ao sul de Laguna, entre as manhãs dos dias 15 e 19 de maio, e ondas entre 3,0 e 5,0 metros, em alto-mar, entre os estados de Santa Catarina, ao norte de Laguna, e do Rio de Janeiro, ao sul de Arraial do Cabo, entre a noite do dia 17 e a manhã do dia 19 de maio.

Além disso, há condições favoráveis para a ocorrência de ressaca no litoral do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, ao sul de Laguna, com ondas entre 2,5 e 4,0 metros, entre as manhãs dos dias 15 e 19 e ressaca com ondas entre 2,5 e 3,0 metros no litoral de Santa Catarina, ao norte de Laguna, e do Rio de Janeiro, ao sul de Arraial do Cabo, entre as manhãs dos dias 18 e 19 de maio.

Até a noite de quarta-feira (18), a Tempestade Subtropical “Yakecan” poderá se intensificar e ser classificada como Tempestade Tropical, quando as rajadas de vento poderão superar os 110 km/h, do extremo sul e leste do Rio Grande do Sul ao litoral sul de Santa Catarina.

Até o final da semana, o sistema se deslocará ao litoral da Região Sudeste perdendo força.

Vento pode atingir força de furacão

Órgãos oficiais já emitiram avisos sobre a possibilidade de vento muito intenso no Rio Grande do Sul entre amanhã e quarta-feira. O Instituto Nacional de Meteorologia, por exemplo, em comunicado, alertou para vento de até 115 km/h ou mais no Sul gaúcho. As projeções nossas na MetSul, com base nas mais recentes saídas dos modelos, que apresentaram uma concordância maior quanto à trajetória do ciclone margeando a costa, indicam vento mais forte.

O que vai acontecer então?

A massa de ar frio provocará sim uma queda acentuada da temperatura no centro-sul do país, mas não de forma exagerada.

  • – É uma massa de ar atípica pelo seu posicionamento e dimensão (não intensidade);
  • – Os ventos podem superar os 100 km/h no litoral do Rio Grande do Sul (RS);
  • – Tem possibilidade de ciclone subtropical na costa da Região Sul;
  • – Poderemos ter episódios de:

Chuva congelada
Neve (apenas na Região Sul)
Geada (pode ocorrer em Santa Catarina, no Rio Grande do Sul, no Paraná, no Mato Grosso do Sul, em São Paulo, em Minas Gerais, em Goiás e no Mato Grosso).

O que NÃO É VERDADE?

  • – Não existe o termo ERUPÇÃO POLAR histórica;
  • – NÃO é a MAIOR Onda de Frio dos últimos 100 anos;
  • – Essa onda de frio não deve chegar na Região Nordeste;
  • – As temperaturas não vão chegar a -10ºC;
  • – Não está nem perto da maior onda de frio da sua vida!
  • – Não há chances de neve em Goiás, no Distrito Federal e demais regiões centrais do Brasil.

IMPORTANTE:

Frente fria, frio intenso, calor continuarão a ocorrer. O que  geralmente pode ser falso em uma “notícia duvidosa” de clima, são valores EXTREMAMENTE exagerados e sem embasamento científico. Quando se trata do tempo e do clima, um simples acesso no site do Inmet ou em uma das redes sociais, já é suficiente para você confirmar a informação.

__________

Todas as nossas reportagens estão em constante atualização. Quem entender (pessoas físicas, jurídicas ou instituições) que tem o direito de resposta acerca de quaisquer de nossas publicações, por ter sido citado ou relacionado a qualquer tema, pode enviar e-mail a qualquer momento para [email protected]