Trabalhadores optam por home office com aumento dos combustíveis

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O aumento no preço dos combustíveis causou uma diminuição do poder de compra dos trabalhadores, fazendo com que muitos prefiram continuar em regime home office do que voltar ao trabalho presencial.

Leia também: Home office: Confira as mudanças na lei para o trabalho remoto

Foi o que mostrou uma pesquisa da Citrix Systems, que aponta que os trabalhadores brasileiros preferem continuar trabalhando de casa. Dos entrevistados, 54% responderam que, mesmo com a possibilidade de retorno presencial, preferem o trabalho remoto. A justificativa é evitar os custos com a locomoção.

A pesquisa foi feita com 5 mil trabalhadores, e o Brasil ocupa o terceiro lugar no ranking de sete países consultados. No primeiro lugar da lista estão os Estados Unidos, onde 57% dos trabalhadores preferem continuar em home office devido ao aumento dos combustíveis. A Austrália aparece em segundo lugar, também com 54% dos entrevistados preferindo continuar trabalhando em casa.

Considerando todos os países pesquisados, quase metade dos trabalhadores relata que o aumento do valor do combustível afeta de alguma forma os planos de volta ao modelo presencial.

A pesquisa também revela que 87% dos brasileiros consideram justo que os empregadores forneçam um subsídio para custos com transporte e combustível, para compensar o custo do trajeto.

Na semana passada, o Brasil atingiu a marca do maior preço medido no levantamento semanal, feito pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, chegando ao preço médio de R$ 7,29. Na mesma semana, uma cidade de Santa Catarina registrou o valor do litro da gasolina por R$ 8,99. Com preços tão altos, fica quase inviável para os trabalhadores custearem a locomoção até as empresas físicas.



Fonte: Fonte: R7