TCU abrirá auditoria para apurar cortes no repasse de recursos às universidades federais | Educação

0
8


A decisão foi tomada nesta quarta-feira (19), durante sessão plenária. A auditoria atende a um pedido feito pela procuradora-geral do Ministério Público junto ao TCU, Cristina Machado.

O ministro Augusto Nardes será o relator do processo. O ministro Benjamin Zymler sugeriu que sejam feitas duas auditorias: uma para apurar os cortes e a gestão dos recursos e outra para avaliar a governança das universidades públicas.

Nardes afirmou que vai levar à sua equipe técnica a sugestão. A definição sobre os moldes da auditoria será tomada após essa avaliação.

Universidades federais recebem repasse de verbas menor pelo 5º ano seguido

Universidades federais recebem repasse de verbas menor pelo 5º ano seguido

Ainda durante a audiência, os ministros Augusto Sherman e Jorge Oliveira pediram que a auditoria leve em consideração o contexto econômico atual. Sherman disse que as universidades “precisam se adequar à realidade orçamentária do Brasil”.

O ministro Raimundo Carreiro defendeu que a auditoria se debruce também sob o passado, e não somente o presente. Ele sugeriu analisar as gestões das universidades dos últimos dez anos.

Nardes afirmou que todas as sugestões serão analisadas tecnicamente antes da instalação da auditoria.

A procuradora-geral do Ministério Público junto ao TCU, Cristina Machado, afirmou que os cortes orçamentários recentes oferecem risco ao futuro da educação superior do país.

Ela chegou a citar o risco de um “apagão universitário”, ou seja, de uma paralisação das atividades das universidades.

“Podemos assistir a um verdadeiro ‘apagão universitário’, que pode repercutir na formação acadêmica de toda uma geração e no avanço científico do país”, destacou a procuradora-geral.

‘Risco de parar’: o que dizem reitores e alunos sobre crise nas universidades federais

Segundo a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), o orçamento destinado para as 69 universidades federais neste ano é 18,16% menor que o reservado em 2020.

Isso significa um corte de cerca de R$ 1 bilhão – o que pode afetar as atividades universitárias, segundo a associação.

A Universidade Federal do Rio de Janeiro, por exemplo, divulgou que só tem dinheiro para custeio até julho. A administração anunciou que pode fechar prédios e desativar serviços, entre eles o atendimento a pacientes com coronavírus, feito através do hospital universitário da instituição.



Fonte: Fonte: G1