Servidores se surpreendem com demissão do presidente do Inep e apontam para ‘graves riscos’ ao órgão que administra o Enem | Educação

0
29


A descontinuidade de gestão, com sucessivos períodos de instabilidade, tem contribuído fortemente para comprometer a execução do importante trabalho da autarquia na Educação”, afirma a Associação dos Servidores do Inep (Assinep), em nota pública obtida com exclusividade pelo G1.

Lopes é o quarto nome a ocupar a presidência do Inep no governo Bolsonaro. Ele assumiu a função em 17 de maio de 2019.

Seu substituto ainda não foi anunciado. No documento da associação, servidores “clamam pela necessidade de gestores com reconhecida capacidade técnica e familiaridade com a temática da Educação, à altura dos 84 anos do Instituto”.

O Inep é vinculado ao Ministério da Educação (MEC). O órgão é responsável por estatísticas, avaliações e provas, como o Enem, o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes).

Em nota, o Ministério da Educação afirma que a exoneração de Lopes é uma “decisão administrativa, sendo o cargo de livre nomeação e exoneração da Administração Pública”. Também cita que “o ministro Milton Ribeiro, em nome do MEC, agradece o trabalho realizado pelo Alexandre Lopes durante o período em que esteve à frente do Inep”.

O presidente do Inep, Alexandre Ribeiro Pereira Lopes, foi exonerado do cargo nesta sexta-feira (26). — Foto: Reprodução / Diário Oficial da União

Lista de presidentes do Inep

Veja a lista de presidentes do Inep na gestão Bolsonaro:

Formação e trajetória de Alexandre Lopes

Lopes é bacharel em direito pela Universidade de Brasília (UnB – 2004) e engenheiro químico pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ – 1996). Desde 2006, ocupa cargos públicos.

Em janeiro de 2019, passou a desempenhar a função de diretor legislativo da Casa Civil da Presidência da República. Entre suas atribuições, acompanhava e coordenava o processo de sanção e veto dos projetos de lei enviados pelo Congresso Nacional.

Antes disso, de maio de 2016 a dezembro de 2018, trabalhou no governo do Distrito Federal como subsecretário de Políticas Públicas na Secretaria de Estado da Casa Civil e Relações Institucionais.



Fonte: Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui