Registro do Google Maps pode ter indicado onde está um avião desaparecido em 2014


O dia 8 de março de 2014 é lembrado como a data do desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines. O sumiço da aeronave com 239 pessoas a bordo é um dos grandes casos sem solução da aviação.

Mas, agora, um pesquisador britânico afirma que encontrou os destroços da aeronave com o auxílio do Google Maps. Ian Wilson relatou ao jornal The Mirror que o veículo está em uma área de selva no Camboja, na Ásia.

Desde 2018, o homem tenta avisar as autoridades sobre a localização exata dos restos do veículo, mas, até o momento, sua teoria tem sido descartada.

“Medindo o avistamento do Google, você está olhando para cerca de 69 metros, mas parece haver uma lacuna entre a cauda e a traseira do avião. É apenas um pouco maior, mas há uma lacuna que provavelmente seria responsável por isso”, explica Wilson ao jornal The Mirror.

No entanto, as autoridades que investigaram o caso dizem que o avião com a rota de Kuala Lumpur para Pequim caiu no Oceano Índico.

Além disso, a Aviation Safety Network (ASN) acredita que o objeto encontrado no Google Maps, na verdade, é a captura da imagem de um avião que estava voando pela região no momento do registro do Google.

(Imagem: Google Maps/Reprodução)

Destroços do voo MH370 no Camboja

Ainda assim, Wilson confia em sua teoria e, em 2018, ele decidiu visitar a área com seu irmão. No entanto, a dupla desistiu por conta das difíceis condições para acessar a selva do local.

Além da imagem de Wilson, o misterioso desaparecimento do avião é cercado de linhas investigativas sobre a tripulação. Para os investigadores, o piloto teria premeditado derrubar o veículo durante o trajeto.

Para tal, teria despressurizado a cabine e cometido suicídio durante a queda. Os policiais afirmam que nenhum pedido de socorro ou contato foi feito antes do ocorrido.

O silêncio dos passageiros nos minutos finais dos registros contribui para a ideia de que, com a despressurização, eles desmaiaram na cabine. Com isso, o piloto concluiu seu plano e os destroços do avião estão no Oceano Índico.

No entanto, as buscas foram feitas sem sucesso na área indicada até 2017. Apenas alguns itens do avião foram localizados em áreas próximas, como Moçambique, Ilha da Reunião e África do Sul.

Mesmo assim, Wilson conta que já passou horas “procurando lugares onde um avião poderia ter caído” e a região do Camboja é o local da queda.

A investigação sobre a aeronave foi finalizada com a publicação de um relatório com mais de mil páginas, mas as autoridades não conseguem descobrir o que, de fato, aconteceu no voo MH370 em 2014. Ian Wilson continua sua saga em busca do resgate do avião da Malaysia Airlines.



Portal R7