PF pede ao Supremo para unificar inquéritos que apuram supostos desvios no MEC

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp



Polícia Federal tem duas frentes abertas de investigação. Uma se refere à atuação do ex-ministro Milton Ribeiro e de pastores; outra, aberta a pedido da CGU, não cita autoridades. A Polícia Federal pediu nesta terça-feira (12) que o Supremo Tribunal Federal autorize a corporação a unificar os dois inquéritos que apuram suposto favorecimento de pastores e de prefeitos aliados na distribuição de verbas do Ministério da Educação.
Atualmente, a PF tem duas investigações paralelas sobre o tema. Uma, aberta a pedido da Procuradoria-Geral da República, investiga a conduta do então ministro da Educação Milton Ribeiro e dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos.
Em outra frente, a pedido da Controladoria-Geral da União, a PF passou a apurar supostas irregularidades na distribuição de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. A CGU, no entanto, diz que não foram encontrados índicos de envolvimento de autoridades.
O pedido foi endereçado à ministra Cármen Lúcia, relatora da investigação aberta a pedido da PGR e que tem como foco Milton Ribeiro. O ex-ministro da Educação foi demitido em meio à revelação de conversas suspeitas – e, com isso, perdeu foro privilegiado.
Denúncias de corrupção no MEC: entenda como como funciona a distribuição de verbas do FNDE
LEIA MAIS:
Ministro do TCU determina inspeção no MEC por suspeita de interferência de pastores
Prefeitos reiteram que pastor pedia propina em dinheiro e até em ouro para obter verba no MEC
Crise no MEC: o que já se sabe sobre o áudio em que ministro admite pedido de Bolsonaro para favorecer pastores
Áudio de ex-ministro da Educação pode configurar crime? Advogados criminalistas respondem
FNDE: como funciona o órgão do MEC de onde sai a verba sob suspeita de ser negociada por pastores



Fonte: Fonte: G1