Pesquisadores fazem importante descoberta sobre os primeiros hominídeos; entenda


A arqueologia aponta de maneira que a civilização humana teve sua origem na África. Através de meticulosas escavações, análises de artefatos e estudos de sítios arqueológicos, os pesquisadores têm construído uma narrativa sólida que aponta para a África como o berço da humanidade desde muito tempo atrás.

Essa compreensão tem se desenvolvido ao longo de décadas de pesquisa, e a arqueologia tem desempenhado um papel vital em trazer à tona evidências que sustentam essa teoria.

Fósseis de ancestrais humanos, como os encontrados em locais como Sterkfontein e Olduvai Gorge, lançaram luz sobre os estágios iniciais da evolução humana na África.

Além disso, a análise de sítios arqueológicos em várias partes do continente africano tem revelado evidências de antigas civilizações, práticas agrícolas avançadas e desenvolvimento de complexas estruturas sociais.

As Grandes Pirâmides do Egito, por exemplo, são monumentos icônicos que testemunham a habilidade e o conhecimento das antigas civilizações africanas.

Contudo, recentemente, um marco significativo foi documentado na revista Nature, consolidando-se como uma descoberta de notável relevância que pode mexer, pelo menos um pouco, na concepção atual de cronologia evolutiva da humanidade. Entenda a seguir!

Fóssil revela detalhes sobre a civilização

Um grupo de pesquisadores alemães, que conduziram investigações no oeste do Marrocos recentemente, trouxeram à luz fósseis humanos com uma idade média de cerca de 300 mil anos.

(Imagem: revista Nature)

Essa descoberta é notável, uma vez que os vestígios foram encontrados na caverna Jebel Irhoud lançam uma nova luz sobre a evolução dos seres humanos modernos.

Os achados nessa caverna praticamente criam um novo capítulo em relação ao que se sabia até então: os hominídeos modernos evoluíram na África, uma noção já estabelecida.

O verdadeiro “X da questão” trazido aqui é que esse processo pode ter ocorrido muito antes do que se havia imaginado previamente. Através de minuciosas escavações e análises em Jebel Irhoud, os cientistas estabeleceram que nossa linhagem evolutiva pode de fato ter começado a tomar forma há aproximadamente 300 mil anos atrás, em consonância com os novos achados.

Isso não apenas reforça a África como o berço da humanidade, mas também reformula nossa compreensão da cronologia da evolução.

Os fósseis descobertos englobam uma variedade de partes do corpo humano, como um fragmento de crânio, vértebras da coluna, bem como os ossos dos membros superiores e inferiores.

De acordo com os pesquisadores, os fragmentos ósseos pertenciam a um grupo de indivíduos da espécie Homo sapiens que habitou a região do norte de África. O grupo parecia já bem mais evoluído, em comparação com espécimes descobertos em outras partes do continente africano.



Portal R7