Pesquisa: Maioria considera escolas públicas do DF inseguras




Segundo levantamento do ObservaDF, mais de 70% dos entrevistados afirmam que unidades de ensino são ‘muito’ ou ‘um pouco’ inseguras. Em relação à rede privada, total não chega a 30%; entenda. Estudantes em volta as aulas no DF, em imagem de arquivo
TV Globo/Reprodução
Uma pesquisa para avaliar a percepção da segurança nas unidades de ensino do Distrito Federal, divulgada nesta segunda-feira (3) mostra que mais de 70% das pessoas consideram “inseguras” as escolas públicas da capital. Os dados foram coletados pelo observatório de políticas públicas ObservaDF, vinculado à Universidade de Brasília (UnB).
Segundo o levantamento, 44,3% dos entrevistados disseram que acham as escolas públicas do DF “muito inseguras” e 29,7% consideram os locais “um pouco inseguros”.
Apenas 5,2% disseram que acham as escolas “muito seguras”. Veja o gráfico abaixo:
Escolas privadas
Em relação às escolas privadas, o total de pessoas que classificaram os colégios como “muito inseguros” ou “um pouco inseguros” não chega a 30%.
“Em outras palavras, a percepção de insegurança das escolas no DF parece ser um fenômeno principalmente das escolas públicas”, diz o ObservaDF.
Dia ou noite?
A pesquisa avaliou também se a percepção de segurança das escolas públicas do DF é sentida dentro e fora das unidades – durante o dia ou à noite:
54,9% consideram os arredores das escolas muito inseguros durante a noite
46% consideram o interior das escolas muito inseguros durante a noite
30,8% consideram o interior das escolas muito inseguros, mesmo durante o dia
39,3% consideram os arredores das escolas inseguros durante o dia
“Parece que a escola é vista como foco de insegurança ainda que essa insegurança não esteja relacionada com a atividades escolar (ou seja, mais focada em seu entorno e em horários em que a escola não funciona)”, destaca o observatório.
LEIA TAMBÉM:
VÍDEO: Mãe quebra violão e arremessa objeto em funcionária após suposto caso de assédio contra filha em escola, no DF
‘PAZ NAS ESCOLAS DEVE COMEÇAR EM CASA’, diz secretária de Educação do DF
Insegurança nas escolas por região administrativa do DF
De acordo com a pesquisa, as Regiões Administrativas (RAs) que reportaram maior nível de insegurança em relação às escolas foram:
Fercal
São Sebastião
Lago Norte
Jardim Botânico
Taguatinga
Segundo os pesquisadores do ObservaDF, no entanto, o nível de insegurança reportado pelos entrevistados não é correlacionado com a renda per capita ou o número de incidentes e ocorrências nas RAs.
“Isso pode estar relacionado com o fato de que nossa percepção de segurança nem sempre é um espelho fidedigno das ocorrências de fato. Além disso, chamamos a atenção que a amostra para algumas localidades pode ser pequena, o que também afeta resultados”, diz o ObservaDF.
Ocorrências mais comuns
Sombra de aluna, em imagem de arquivo
Kilvia Muniz/SVM
O levantamento também identificou quais foram os principais eventos ocorridos nos últimos 12 meses com menores de 18 anos, por tipo de escola, que frequentam as aulas e que residem com o respondente da pesquisa. São eles, do mais para o menos comum:
Insulto, humilhação ou xingamento
Ameaça de agressão física, empurrar ou chutar
Amedrontamento ou perseguição
Calúnia, rumores e ofensas por redes sociais
Alguém oferecendo drogas
Roubo ou furto
Toques e apalpamento sem consentimento
Lesão provocada por algum objeto arremessado
Ameaça com faca ou arma de fogo
Esfaqueamento ou tiro
Em relação à política de segurança voltada para as escolas, a maioria dos respondentes não acredita que a atual gestão do governo do DF têm atuado para melhorar a segurança nas suas escolas e creches:
Mais de 60% observaram mudança nas políticas públicas
Cerca de 10% acreditam que a atuação do governo contribuiu para uma piora nessa segurança
Aumentar a presença de policiais no entorno das escolas e creches
Fomentar a cultura da paz
Aumentar a oferta de atividades de cultura e esporte na escola fora dos horários de aula
Para os entrevistados, as principais medidas listadas para melhorar a percepção de segurança nas escolas são:
Aumentar a presença de policiais no entorno das escolas e creches;
Fomentar a cultura da paz;
Aumentar a oferta de atividades de cultura e esporte na escola fora dos horários de aula.
A medida com menor importância é fornecer armas e treinamento aos professores para lidar com situações de violência nas escolas.
“Ou seja, o que os dados parecem sugerir é que respondentes preferem soluções que tragam seguranças às escolas de forma integrada à política de segurança pública, mas que não implique necessariamente trazer isso para dentro de escolas de forma direta”, pontua o ObservaDF.
Metodologia
Para fazer a pesquisa, foi realizada uma coleta de dados primários no mês de maio de 2023, com a aplicação de um questionário para uma amostra de 1001 pessoas.
Dos entrevistados, metade (50%) declarou residir com menores de 18 anos em idade escolar. A maior parte (25%) desses menores pertencia ao ensino fundamental, tanto nos anos iniciais quanto finais (14%). No ensino médio, havia 11% e, na creche, 8%.
📱 Participe da comunidade do g1 DF no WhatsApp e receba as notícias na palma da mão.
Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.



G1 Educação