NÃO ESCOVAR os dentes ou fazer uma MÁ ESCOVAÇÃO pode causar demência, diz estudo


Você sabia que existem alguns hábitos diários que, quando não colocados em prática, podem acabar aumentando o risco do desenvolvimento de alguns problemas de saúde como câncer, diabetes e doenças cardíacas? Escovar os dentes é um deles.

Existem diversas evidências que comprovam o quanto é importante escovar os dentes para evitar doenças, e agora também é possível observar que esse hábito pode evitar danos à saúde do cérebro.

Isso porque, segundo alguns estudos, as bactérias que são desenvolvidas na doença periodontal podem fazer com que o paciente tenha demência. Hoje vamos falar um pouco mais sobre o assunto, acompanhe a seguir!

(Imagem: divulgação)

Higiene da boca e saúde do cérebro: qual a relação?

Alguns estudos estão sendo feitos nos últimos anos para entender qual a relação entre a higiene bucal e a saúde do cérebro, principalmente para o desenvolvimento de algumas doenças como Alzheimer e demência.

Nessas pesquisas, foi possível observar que, quanto maior a perda de dentes no paciente, maiores são os riscos do aparecimento de demência.

Os pacientes que têm doença periodontal crônica há mais de 10 anos podem ter doença de Alzheimer, segundo estudos, assim como o declínio cognitivo também pode aparecer em pacientes com periodontite.

O motivo disso ainda está sendo investigado, mas é possível que haja relação entre algumas bactérias bucais com a doença de Alzheimer.

Doença periodontal: saiba mais sobre ela

A doença periodontal afeta cerca de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo, e 19% dos pacientes atingidos têm mais de 15 anos.

Essa doença acontece quando as pessoas não têm os cuidados necessários com a higiene bucal, como, por exemplo, não escovam os dentes depois das refeições e também não utilizam fio dental. Como resultado, várias placas de bactérias são acumuladas na gengiva.

Essas placas de bactérias podem trazer inflamações para os tecidos que suportam os dentes. Esse efeito pode, além de causar a perda dos tecidos, afetar outros órgãos, pois as bactérias utilizam a corrente sanguínea para se espalhar pelo corpo.

Estudos realizados e seus resultados

No estudo que foi realizado, alguns testes foram feitos em camundongos. Desse modo, foi possível observar que a bactéria bucal, quando em contato com o cérebro, é capaz de fazer com que a beta-amilóide apareça. Esse peptídeo pode piorar ainda mais a inflamação no cérebro do paciente, fazendo com que o aparecimento do Alzheimer seja uma realidade.

Não é possível afirmar a relação de consequência e de causa sobre isso segundo os pesquisadores. Mas o que se sabe é que a falta de cuidados com a boca pode acabar fazendo com que o risco de demência seja maior.

Os pacientes que já têm demência também podem ter o risco aumentado em relação a problemas dentários, pois eles não conseguem ter uma higiene bucal adequada, o que também pode ter consequências para a saúde em geral.



Portal R7