Inep contra gráfica para impressão da prova do Enem por R$ 63 milhões

0
16



Escolhida é a gráfica Plural, que esteve envolvida no roubo da prova do Enem em 2009. Caderno de provas do Enem 2019 – 1º dia
Ana Carolina Moreno/G1
O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou nesta terça-feira (4) que contratou a gráfica responsável pela impressão das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 ao custo de R$ 63 milhões. A gráfica escolhida é a Plural, de onde foram roubados os cadernos de provas do exame em 2009. O contrato tem validade de um ano.
Segundo o Inep, o contrato garante a impressão de todo o material necessário para o exame. Ao todo, 5,8 milhões de candidatos estão inscritos nesta edição – 96 mil farão a prova digital.
Adiamento do Enem pode atrasar ingresso de 3,5 milhões de participantes no ensino privado, aponta levantamento
Enem 2020 só em 2021
O Enem de 2020 será realizado em janeiro e fevereiro de 2021. O adiamento se deve à pandemia do coronavírus, que impôs medidas de afastamento social e levou à suspensão de aulas presenciais.
O novo cronograma do Enem prevê:
Provas impressas: 17 e 24 de janeiro, para 5,7 milhões inscritos
Prova digital: 31 de janeiro e 7 de fevereiro, para 96 mil inscritos
Reaplicação da prova: 24 e 25 de fevereiro (para pessoas afetadas por eventuais problemas de estrutura)
Resultados: a partir de 29 de março
Por causa da pandemia, o MEC pediu ao governo federal um adicional de R$ 70 milhões para a execução do Enem 2020. As principais mudanças são:
Aluguel de mais salas para dar maior espaçamento entre os alunos
Compra de máscaras e materiais de segurança para os aplicadores
Oferta de álcool gel
Novos protocolos de segurança e identificação dos alunos
No ano passado, o custo do Enem foi de R$ 537 milhões. Este ano, com o Enem digital e com aumento de inscritos, o governo estima que o valor deve ser maior – a contratação da gráfica é apenas um dos custos da realização da prova.
Enem 2020: pandemia e adiamento
A realização do Enem 2020 estava prevista para novembro, mas após pressão da sociedade diante da suspensão das aulas com a pandemia de coronavírus, o exame foi adiado.
No entanto, decisão pelo adiamento só ocorreu depois de o governo enfrentar questionamentos judicias. O debate chegou ao Congresso, e o Senado aprovou um projeto que adiava o Enem 2020. O texto seguiu para avaliação da Câmara dos Deputados.
A indefinição gerou ansiedade em estudantes, que chegaram a fazer campanha nas redes sociais pela realização da prova em maio, o que beneficiaria estudantes da rede pública, segundo eles, por dar mais tempo para a preparação. Outros preferiram a prova em outra data (dezembro ou janeiro, por exemplo), para não correrem o risco de não ter Enem em 2021.
Enem é marcado para janeiro e fevereiro de 2021; veja novas regras


Fonte: Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui