Estudante 'nota mil' em redação do Enem parou de ir em cursinho por saber aulas de cor: 'Sabia até as piadas do professor'


Estratégia inusitada de Giovanna Fagundes da Silva, de 20 anos, surtiu efeito porque foi aliada a anos de estudos, preparação e prática. Estudante mora em Birigui (SP) e sonha em ser médica. Giovanna Fagundes da Silva, de 20 anos, conquistou nota máxima na redação do Enem
Eduardo Parede
A jovem Giovanna Fagundes da Silva, de 20 anos, está mais perto de alcançar o sonho de cursar medicina. Ela obteve nota máxima (1.000 pontos) na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022.
Moradora de Birigui (SP), a estudante relevou que parou de ir ao cursinho no fim do ano passado para estudar sozinha, pois conhecia a maioria das aulas de cor.
“Sabia até as piadas que o professor ia fazer, então fazia exercícios enquanto isso”, disse a jovem, que prestou a prova pela sexta vez consecutiva.
A estratégia inusitada da estudante surtiu efeito porque foi aliada a anos de estudos, preparação e prática. Os mais de 90 post-it colados na parede também a ajudaram a alcançar a meta.
Estudante colou lembretes na parede da mesa onde estuda
Eduardo Parede
Em entrevista ao g1, Giovanna contou que fazia, em média, três redações por semana e aguardava ansiosamente pela correção.
“Treinei muito. Pensava em qualquer assunto e já posicionava uma causa, uma consequência e três repertórios. Isso me ajudou a ter estratégia para administrar o tempo. Sabia o momento que estaria cansada e não poderia escrever a redação, ou a hora de fazer questões e voltar para o texto”, explicou.
Apesar da rotina intensa de estudos, a jovem conseguia encontrar tempo para praticar exercícios físicos, o que a ajudou a espantar a ansiedade e a pressão.
Giovanna afirma que ler ajuda a escrever melhor
Eduardo Parede
“Acordava às 5h, me arrumava, tomava café da manhã e pegava o ônibus para Araçatuba (SP). Como chegava muito cedo, até a escola abrir, sempre lia alguma coisa. Almoçava na escola e voltava para as aulas da tarde. Quando acabavam, ainda ficava estudando um pouco. Chegava em casa umas 18h, 19h, dava uma revisada em alguma coisa que tivesse ficado para trás e aproveitava um momentinho para ir à academia”, contou.
Ao ser questionada sobre o que os estudantes devem fazer para se preparar para a prova, a estudante respondeu que treinar é a principal dica.
“Qualquer tema que receber, ver nas redes sociais, tem que pegar e treinar. Quando receber a devolutiva do texto do seu professor ou corretor, buscar onde pode melhorar. Repertório é algo importante”, afirmou.
Nervosismo
Estudante afirma que chorou no dia do exame
Eduardo Parede
Ao g1, Giovanna também contou que chorou antes de entrar na sala para prestar a prova, principalmente porque se sentia pressionada. Ela só se acalmou quando viu que o tema da redação era os “Desafios para a valorização de comunidades e povos tradicionais no Brasil”.
“Primeiro anotei tudo que vinha na minha cabeça sobre aquele assunto. Filósofo, livro e filme. Fui descansar, fazer questões, voltei para a redação e fui relacionando. Filosofia e sociologia me ajudaram muito, tanto que, no texto, todos os parágrafos têm algum filósofo, algum pensamento”, contou.
Todo o esforço rendeu à jovem a nota máxima na redação e a possibilidade de se matricular no curso de medicina.
“Não acreditava. Achei que fosse 100. Liguei para minha mãe, conferimos e deu certo. Fiquei muito feliz, muito mesmo, pois sempre sonhei em ser pediatra. Estou esperando algum resultado legal, não tão longe de casa, uma faculdade boa. E descansando, só aproveitando. Esse ano foi bem difícil, a ansiedade foi um fator que me prejudicou bastante, mas agora que passou, penso que ainda bem que não desisti”, afirmou.
Rascunho da redação escrita por Giovanna
Eduardo Parede

Veja mais notícias da região em g1 Rio Preto e Araçatuba
VÍDEOS: confira as reportagens da TV TEM

Fonte: Fonte: G1