Especialistas dão dicas de como se preparar para concursos públicos – Notícias

0
14



Os concursos públicos são usados como porta de entrada para diversas carreiras, principalmente as da área militar, como policial civil, militar ou federal, guarda municipal, bombeiro e agente penitenciário. Os estudantes que optam por participar dos certames precisam ter determinação, foco e força de vontade para garantir êxito na sua escolha.


O caminho é longo, e é preciso submeter-se a algumas etapas, como a prova teórica, a redação e, após a aprovação, o teste de aptidão física, que é uma das fases mais importantes no processo. Seja por sonho, pela promessa de estabilidade ou pela falta de emprego na iniciativa privada, os participantes têm algo em comum: a vontade de alcançar a aprovação.


O baiano Ronald Santos, 18, é um deles. O estudante sempre quis seguir a carreira militar, tendo inclusive estudado em colégio militar. O sonho da aprovação no concurso tem uma motivação que vem desde a infância: a vontade de proporcionar uma vida mais estável à sua família. O jovem tem uma rotina de estudos intensa, mas o pensamento positivo e a vontade de alcançar o objetivo funcionam como combustível para vencer essa etapa. “Estudei em colégio militar desde o ensino fundamental, e, no ano passado, quando me formei, fiz dois concursos, só para testar, mas não passei. Desde então, venho me preparando, porque sempre quis ser do Exército ou da Polícia Militar”, revela o estudante.


A rotina de estudos é cansativa, mas o jovem consegue ter um cronograma estruturado. “Durante a semana, faço duas matérias por dia. No sábado, busco sempre fazer uma redação, para aprender mais. Durante o domingo, eu me dedico a questões de simulados. É difícil estudar, sempre bate o desânimo, o cansaço, mas, quando você tem um objetivo e quer conquistar aquilo, você consegue. Eu sei que eu vou passar”, afirma confiante o concurseiro.


Autoestima

Ronald já tem uma vantagem diante da concorrência: a autoconfiança. Para o professor de ciências humanas Vicente Gualberto, a falta de crença pessoal é um fator eliminatório nos certames. Os candidatos enxergam em si mesmos o seu maior adversário, e aprender a lidar com a autoestima e entender que a aprovação depende muito mais de nós mesmos que dos fatores externos é o ponto-chave nessas provas. “Tem gente que começa e desiste no meio do caminho porque é difícil demais, porque está dando muito trabalho, porque acha que não vai conseguir, mas talvez esses obstáculos contribuam para que o resultado seja ainda mais recompensador. As pessoas são como diamantes que precisam ser lapidados, e esse processo é demorado. Eu tive alunos que estudaram entre dois e três anos, que investiram tempo, dinheiro e dedicação, acreditaram no seu desempenho e passaram. O processo é competitivo, e apostar em si é a melhor forma de alcançar o resultado desejado”, destaca o professor de cursos preparatórios.


Há mais de 37 anos lecionando, Gualberto ressalta a importância de manter o equilíbrio entre as horas de estudo e as de repouso. O descanso também faz diferença na preparação. “A receita de dormir tarde estudando e acordar cedo para os demais afazeres do dia é passada por muitos anos, porém nem sempre ela funciona. É mais eficaz ter uma boa noite de sono e acordar mais cedo para estudar. Assim o cérebro se torna uma folha em branco, pronta para ser escrita”, aconselha o professor.


Publicação do edital

Outro fator importante para esse tipo de avaliação é estar inteirado sobre os editais que serão lançados. Esse é um bom caminho para saber quais os principais perfis e requisitos dos exames, além dos temas e conteúdos mais cobrados na prova intelectual. Com essas informações, o candidato pode organizar um cronograma de estudos e planejar a preparação mais assertiva para o certame.


Para o professor de cursinho preparatório Neto Estrela, mais conhecido como professor Major Estrela, um dos principais erros cometidos pelos concurseiros é deixar para estudar depois do lançamento do edital. Ainda que pareça ser mais fácil ter em mãos os assuntos que serão cobrados no certame, programar-se com antecedência é fundamental para alcançar êxito na prova. “Muitos deixam para estudar apenas quando o concurso lança o edital, e isso é um erro fatal, pois não há mais tempo hábil para assimilar o conhecimento. Após a divulgação do edital, a prova acontece em, no máximo, 45 dias. Antes de mais nada, é preciso entender como a banca examinadora funciona, e isso só é possível respondendo às questões das provas anteriores”, aconselha o professor, que, além de ser policial militar, trabalha há mais de 30 anos preparando quem sonha com a carreira militar. 


Major Estrela ressalta também a importância de se manter atualizado. Segundo ele, acompanhar os assuntos pautados pela mídia – jornais, televisão e redes sociais – e estar antenado com fatos relevantes que afetam a sociedade significa estar um passo à frente da concorrência. “Saber as disciplinas básicas, como história, geografia, informática, é importante. Contudo, é preciso mais. Além de atualidades, muitos concursos cobram conhecimento em diversas áreas do direito. Pensando nisso, dedicar um tempo ao direito constitucional, direito penal, direito processual penal e direito administrativo pode ajudar na aprovação”, orienta o professor.


Ter um bom domínio textual é outro critério decisivo. Como em qualquer concurso ou prova para vestibular, a redação é uma etapa que tem peso eliminatório e requer um pouco mais de atenção. “A redação pode tirar um candidato da primeira colocação e colocá-lo na última. Então, interpretação de texto, concordância textual e pontuação são temas que precisam de atenção nas horas de estudo”, aconselha Estrela.


Confira mais dicas de como se preparar para as provas dos concursos:

1. Estude de forma antecipada: esperar a divulgação do edital do certame para começar a estudar é um dos maiores erros dos participantes de concurso. Buscar edições de provas passadas e responder às questões ajuda a fixar o conteúdo na mente.


2. Entenda como a banca examinadora funciona: isso só é possível quando reservamos um tempo para conhecer as provas anteriores e responder às questões. Muitas questões são repetidas, e o participante pode ter a sorte de responder a uma questão já conhecida.


3. Dê atenção ao direito: muitos concursos, principalmente para a área militar, exigem conhecimento em diversas áreas do direito. As disciplinas com o maior número de questões são direito constitucional, direito penal e direito administrativo.


4. Mantenha-se informado: atualidade é um dos assuntos mais comuns nesse tipo de prova. Acompanhar notícias e redes sociais pode ajudar a identificar assuntos que tenham relação com os fatos sociais relevantes.


5. Exercite a escrita: no geral, as provas de redação têm peso eliminatório. Se determinados candidatos acertarem o mesmo número de questões de múltipla escolha, a prova de redação será critério de desempate. Por isso, praticar a escrita, a interpretação de texto e a pontuação, assim como saber organizar ideias e informações de forma coesa e coerente, é um grande diferencial. 


6. Leia bastante: um tempo dedicado à leitura é essencial para quem busca aprovação. Afinal, a prova precisa ser interpretada para ser resolvida. “A leitura é base fundamental para muitas coisas. Ler melhora o vocabulário, desperta a criatividade, ajuda a manter o foco, a pensar. Incluir a prática da leitura no dia a dia facilita muito a vida, não só de quem vai fazer concursos, mas em qualquer área que a pessoa queira seguir”, aponta o professor Vicente Gualberto.


7. Cuide da sua saúde metal e da sua autoestima: não tenha em si mesmo um adversário. Ter pensamento positivo, acreditar no seu potencial e nos seus sonhos o ajudará a manter-se focado. É preciso aprender a lidar com medos, limites e adversidades que podem surgir na rotina de estudos. Cuidar dos aspectos emocionais é fundamental para ter uma preparação mais tranquila e alcançar o resultado desejado.


8. Prepare-se para o teste de aptidão: após a aprovação na prova teórica, chega a vez do teste físico de aptidão. É importante saber que o período ideal para começar o treinamento físico é de no mínimo três meses. A depender das características do concurso e do cargo, pode ser exigida a realização de testes de barra, flexões e semiflexões, natação, corrida e abdominais, entre outros. No geral, os exercícios cobrados, assim como o padrão mínimo para a aprovação, estão previstos em edital.


Ter acompanhamento de um médico especialista, buscar apoio de um profissional de educação física e reservar um momento no dia a dia para fazer alongamentos e aquecimentos, além de treinar flexões na barra física – que é uma das etapas que requerem mais esforço – pode ajudar na preparação. Além disso, é importante cuidar do psicológico, manter a concentração e a calma. O resultado depende muito mais de você do que de qualquer outra pessoa.


Fonte: Larissa Mesquita – Agência Educa Mais Brasil



Fonte: Fonte: R7