Entenda o que muda no ensino médio de SP em 2022 | São Paulo

0
17


O governo de São Paulo anunciou nesta terça-feira (20) a expansão do Novo Ensino Médio para o segundo ano a partir de 2022. Dentre as principais mudanças, os alunos terão uma aula a mais por dia. Além disso, o ensino híbrido será mantido, ou seja, mesmo com a retomada das aulas presenciais, o aprendizado remoto será mantido.

O investimento será de R$ 303,5 milhões, e há a previsão da contratação de até 10 mil professores.

  • Atualmente, os alunos do ensino médio no período diurno têm 35 aulas semanais (7 por dia). Eles passarão a ter 40 aulas semanais (8 por dia);
  • No noturno, são 25 aulas semanais. Eles passarão a ter 33 aulas semanais (aumentando em 8 aulas a carga geral);
  • A mudança será gradual: os alunos do 2º ano terão uma aula a mais por dia já a partir do próximo ano;
  • Os alunos do 3º ano passarão a ter 8 aulas por dia em 2023;
  • Para as turmas do período noturno, a ampliação para 8 aulas diárias irá ocorrer já a partir do 1º ano;
  • As aulas presenciais não serão obrigatórias em agosto. Em setembro, cada escola pode reavaliar essa definição;
  • O ensino híbrido, com aulas online e presenciais, vai continuar;
  • A partir de 2022, o segundo ano contará com 10 aulas semanais dedicadas ao aprofundamento curricular escolhido conforme as opções apresentadas pela escola. No terceiro ano, serão 20 aulas.

No ano letivo de 2021, a implementação do novo currículo do ensino médio teve início para os mais de 460 mil alunos matriculados no primeiro ano, de acordo com o secretário da Educação, Rossieli Soares. Em 2022, o novo modelo será expandido para 422 mil alunos do segundo ano.

Atualmente, o Novo Ensino Médio atende estudantes do primeiro ano da rede pública estadual por meio dos três componentes ofertados pelo programa Inova Educação – Projeto de Vida, Eletivas e Tecnologia e Inovação.

A ideia é que o próprio aluno escolha uma ou duas áreas para se aprofundar em conhecimentos específicos, conforme interesse individual.

A relação trouxe 10 opções de aprofundamento curricular:

Quatro delas são nas áreas de conhecimento:

  • Linguagens:
  • Matemática;
  • Ciências Humanas;
  • Ciências da Natureza.

Seis delas são opções integradas, que apresentam combinações:

  • Linguagens e Matemática:
  • Linguagens e Ciências Humanas:;
  • Linguagens e Ciências da Natureza;
  • Matemática e Ciências Humanas;
  • Matemática e Ciências da Natureza;
  • Ciências Humanas;
  • Ciências da Natureza.

Com os dados obtidos via Secretaria Escolar Digital (SED), as escolas vão definir os aprofundamentos curriculares a serem ofertados a partir de agosto, durante o processo de rematrícula.

Mais de 376 mil estudantes do primeiro ano do ensino médio – 89% do total potencial de respondentes – da rede pública estadual manifestaram interesse no aprofundamento do currículo do Novo Ensino Médio.

Na manifestação, o estudante também pode demonstrar interesse em outros dois grupos de itinerários formativos.

O segundo deles mescla as áreas do conhecimento com a qualificação profissional, via Novotec Expresso, e permite um aprofundamento curricular em uma das áreas do conhecimento e dois certificados profissionalizantes durante o ano.

São cursos relacionados:

  • Programação;
  • Design;
  • Dados;
  • Tecnologia;
  • Ciências sociais;
  • Comunicação.

O terceiro grupo, alinhado ao programa Novotec Integrado, oferece a oportunidade de o estudante sair com um diploma de curso técnico e com o do ensino médio.

São 21 opções de cursos técnicos:

  • Administração;
  • Marketing;
  • Logística;
  • Recursos Humanos;
  • Comércio;
  • Finanças;
  • Contabilidade;
  • Desenvolvimento de Sistemas;
  • Informática para Internet;
  • Serviços Jurídicos;
  • Serviços Públicos;
  • Guia de Turismo;
  • Design Gráfico;
  • Design de Interiores;
  • Eventos;
  • Nutrição e Dietética;
  • Eletrônica;
  • Eletrotécnica;
  • Química;
  • Análises Clínicas;
  • Farmácia.

As escolas também receberão o programa de Atividades Complementares de Arte. Será possível criar, por exemplo, grupos de teatro nas escolas.

O investimento total para o ensino médio é de R$ 303 milhões. Os recursos serão repassados às 3,6 mil escolas estaduais que atendem esse público-alvo, via Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE-SP). Pelo programa, cada escola recebe a verba e pode direcioná-la de acordo com a necessidade local.

Desta verba, R$ 150 milhões poderão ser usados para equipar as escolas em diferentes áreas do conhecimento.

O valor mínimo para escolas pequenas é de R$ 10 mil, mas ele pode chegar a R$ 200 mil para unidades maiores. Cada escola pode dizer no Plano de Aplicação Financeira (PAF) em que pretende aplicar a verba.

Outros R$ 100 milhões serão destinados a Laboratório de Ciências e os demais R$ 50 milhões serão aplicados na aquisição de materiais e componentes eletrônicos para o trabalho de Programação e Robótica, bem como de ferramentas e insumos, como alicates, chave de fenda e equipamentos de proteção individual (EPIs) para que os estudantes possam utilizar esses materiais enquanto constroem os seus protótipos.

Para miniestúdios serão destinados R$ 3,5 milhões. Essas unidades vão funcionar como um HUB para toda a diretoria. O estúdio será equipado para que sejam feitas transmissões e reuniões, por exemplo.

Com o aumento do tempo em classe, haverá mais 121 mil aulas atribuídas e um potencial crescimento de 12% no total de professores com aulas atribuídas.

Escolas da capital poderão reduzir distanciamento para 1 metro e definir capacidade de alunos a partir de 02/08
Escolas da capital poderão reduzir distanciamento para 1 metro e definir capacidade de alunos a partir de 02/08

Escolas da capital poderão reduzir distanciamento para 1 metro e definir capacidade de alunos a partir de 02/08

VÍDEOS: saiba tudo sobre São Paulo e região metropolitana



Fonte: Fonte: G1