Enem digital: tema da redação é desigualdade entre regiões do Brasil | Enem 2020

0
49


O Inep, organizador do exame, elenca quais são os fatores que podem levar o candidato a zerar na redação do Enem (seja a versão digital ou impressa):

  • fuga ao tema proposto ou tipo textual diferente do dissertativo-argumentativo;
  • desrespeito à seriedade do exame, com uso de impropérios ou outras formas de anulação da redação;
  • cópia integral de textos motivadores ou do Caderno de Questões;
  • presença de parte deliberadamente desconectada do texto;
  • texto escrito em língua estrangeira, ilegível ou com menos de 7 linhas.

Veja abaixo 8 informações que talvez você não saiba sobre o Enem digital:

Enem 2020: Os mitos sobre a prova digital

Enem 2020: Os mitos sobre a prova digital

Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o uso da caneta preta de tubo transparente é obrigatório. Apesar de a prova ser digital, a redação é manuscrita, não digitada.

O Enem digital será aplicado em locais designados pelo Inep. Ninguém fará a prova em casa.

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, afirma que até há condições para fazer uma prova remota – existem tecnologias como câmeras que checam se o candidato está tentando colar ou obter vantagem indevida.

Nós não pensamos em fazer no momento, mas é o natural pelo avanço da tecnologia. É um processo mundial. O que a tecnologia vai trazer de possibilidade no futuro é difícil de prever”.

O uso de máscara é obrigatório, por causa da pandemia. Segundo o presidente substituto do Inep, Camilo Mussi, haverá 25 candidatos por sala, em média. Ou seja: é essencial se proteger da infecção.

Os demais protocolos contra a Covid-19 também devem ser respeitados, como o distanciamento entre as mesas, a disponibilização de álcool em gel e a ventilação natural no ambiente.

VERSÕES DIFERENTES DA PROVA

Neste ano, serão três versões diferentes do Enem:

  • impressa, em 17 e 24 de janeiro;
  • impressa, em 23 e 24 de fevereiro, na reaplicação do exame (para candidatos do Amazonas, por exemplo, onde a prova foi adiada; privados de liberdade; afetados por problemas logísticos, como falta de luz no local de prova; e pessoas com doenças infectocontagiosas);
  • digital, em 31 de janeiro e 7 de fevereiro.

São questões e temas de redação diferentes. O nível de dificuldade, por outro lado, é sempre o mesmo, por causa da Teoria de Resposta ao Item (entenda aqui).

É verdade: o candidato clicará na alternativa certa e depois salvará a resposta no computador. Não será necessário pintar o gabarito.

Os candidatos do Enem digital receberão, sim, uma folha de rascunho para fazer contas. Por causa disso e e da redação manuscrita, é importante levar a caneta preta de tubo transparente.

Segundo o Inep, haverá, sim, computadores para todos. Inclusive, cada local de prova terá máquinas extras que podem substituir as que apresentarem problemas.

Se alguma quebrar, um técnico de informática disponível na sala avaliará a possibilidade de transferir o candidato para outro computador. Se o procedimento demorar menos de 15 minutos, o estudante pode terminar a prova. Caso leve mais tempo, ele terá de fazer a reaplicação do Enem em fevereiro.

Conforme o que foi explicado acima, não há a possibilidade de fazer a prova em casa.

Para impedir a cola nos locais do exame, os computadores não terão acesso à internet nem lerão CDs ou dispositivos conectados por cabo USB. O candidato também não conseguirá usar programas de edição de texto (como Word) ou calculadora.

O Inep divulgou um tutorial sobre a prova:





Fonte: Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui