Empresa italiana usa Spyware para invadir celulares

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Milhares de celulares Androids e iOS podem estar em risco de serem invadidos por spyware cujo desenvolvimento foi realizado por uma empresa italiana com o objetivo de invadir mensagens privadas e contatos pessoais.

Na tentativa de deixar aparelhos telefônicos mais seguros, o Grupo de Análise de Ameaças do Google (TAG) publicou relatórios sobre as vulnerabilidades dos celulares. Confira o artigo na íntegra de como saber se o seu celular está sendo atacado.

Leia mais: Hacker Russo cria novo malware que rouba dados bancários.

Como saber se seu telefone está sendo atacado?

Recentemente, a TAG informou que o RCS Labs, empresa com sede em Milão, criou ferramentas para espionar mensagens privadas, assim como senhas e contatos de usuários. Essas ferramentas têm sido utilizadas para espionar telefones de pessoas sediadas na Itália e no Cazaquistão.

Para saber se seu celular está em risco, a TAG revela que o spyware usa uma combinação de táticas inteligentes para invadir o telefone de um usuário. Entre estas está tentar fazer com que as pessoas baixem um aplicativo malicioso em seu aparelho Android ou iOS.

Outra forma usada é desabilitar os dados do usuário por meio de sua operadora, enviando em seguida um link por mensagem de texto, como se fosse a operadora, para que o problema seja “corrigido”.

Segundo o site da RCS Labs, eles possuem agências policiais europeias como clientes. No entanto, o Google alega que o problema é que eles estão permitindo a proliferação de ferramentas hackers perigosas e, além disso, armando governos que não seriam capazes de desenvolver esses recursos internamente.

O spyware pode ser muito perigoso, principalmente caso caia em mãos erradas. Inclusive essa não foi a primeira vez que uma empresa de spyware foi pêga invadindo telefones. O Spyware Pegasus, da empresa israelense NSO, foi encontrado espionando jornalistas e ativistas em diferentes governos ao redor do mundo.

Pode ser que haja pouca razão para se preocupar por agora, visto que o ataque não parece generalizado e não há indícios de que usuários de outros países tenham sido afetados. Porém, é de fato algo para se manter em observação.

Fonte: Fonte: R7