Em busca de diversidade, Unicamp quebra paradigma e prevê lista de livros no vestibular com ‘Alice’, Cartola, Krenak e Chimamanda | Campinas e Região

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


A Unicamp definiu nesta terça-feira (10) a lista de obras literárias obrigatórias para as edições de 2024 a 2026 do vestibular. Com a proposta de buscar diversidade e representatividade, segundo a comissão organizadora (Comvest), a relação terá “A vida não é útil”, de Ailton Krenak, Morangos Mofados, de Caio Fernando Abreu, dez canções escolhidas de Cartola, além de uma quebra de paradigma: pela primeira vez a prova usará textos que originalmente não são em língua portuguesa: “Alice no país das maravilhas”, de Lewis Carrol, e “No seu pescoço”, de Chimamanda Ngozi Adichie.

As obras serão inseridas gradualmente nas três edições, para permitir planejamento dos estudantes e escolas, mas a relação total – prevista em dez obras na edição 2023 – diminuiu para nove. A intenção da universidade é de que os candidatos deixem de decorar escolas literárias ou características para explorar a literatura de forma mais ampla. “A mudança tem que ser gradativa porque algumas obras entraram no último ano, e a expectativa é de que elas cumpram um ciclo de três anos. A nossa expectativa é de que os estudantes e professores possam ler, fruir desse textos e se preparar melhor.”

Em 2024 e 2025 serão quatro novidades em cada ano, enquanto a obra da escritora nigeriana ficou para 2026. Veja abaixo as listas com a indicação em destaque dos textos incluídos em cada edição.

  • Olhos d’Água, de Conceição Evaristo;
  • Canções escolhidas, de Cartola;
  • Casa Velha, de Machado de Assis;
  • Alice no país das maravilhas, de Lewis Carrol;
  • Niketche – uma História de Poligamia, de Paulina Chiziane;
  • A Tarde, de Olavo Bilac;
  • Carta de Achamento a el-rei D. Manuel, de Pero Vaz de Caminha;
  • O Ateneu, de Raul Pompeia;
  • Conto “Seminário dos ratos”, Lygia Fagundes Telles
  • A vida não é útil, de Ailton Krenak;
  • Prosas seguidas de odes mínimas, de José Paulo Paes;
  • Vida e morte de M.J. Gonzaga de Sá, de Lima Barreto;
  • Morangos mofados (contos escolhidos), de Caio Fernando Abreu
  • Olhos d’Água, de Conceição Evaristo;
  • Canções escolhidas, de Cartola;
  • Casa Velha, de Machado de Assis;
  • Alice no país das maravilhas, de Lewis Carrol;
  • Niketche – uma História de Poligamia, de Paulina Chiziane;

Líder indígena, ambientalista e escritor, Ailton Krenak é considerado uma das principais lideranças indígenas do Brasil — Foto: Neto Gonçalves

  • No seu pescoço, de Chimamanda Ngozi Adichie
  • Prosas seguidas de odes mínimas, de José Paulo Paes; ,
  • Olhos d’Água, de Conceição Evaristo;
  • A vida não é útil, de Ailton Krenak;
  • Casa Velha, de Machado de Assis;
  • Vida e morte de M.J. Gonzaga de Sá, de Lima Barreto;
  • Morangos mofados (contos escolhidos), de Caio Fernando Abreu
  • Canções escolhidas, de Cartola;
  • Alice no país das maravilhas, de Lewis Carrol;

A escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie — Foto: GloboNews

VÍDEOS: tudo sobre Campinas e região



Fonte: Fonte: G1