Eleição para reitoria da UFSCar é anulada e atual reitora permanece no cargo | São Carlos e Araraquara

0
28


O processo que estava em andamento foi anulado pela Justiça, após professores de uma das chapas entrarem com uma ação.

Como as listas tríplices foram anuladas pela Justiça, o Conselho Universitário (ConsUni) resolveu realizar um novo Colégio Eleitoral em 18 de novembro e, até que as novas listas sejam elaboradas e aprovadas pela Presidência da República, a atual reitora deverá permanecer à frente da gestão da universidade.

De acordo com o ConsUni, considerando a impossibilidade de nomeação de novo reitor em caráter definitivo, foi reconhecida a necessidade e aprovada uma moção de apoio à nomeação da atual reitora para um mandato pró-tempore (temporário), até que ocorra a nomeação de novo reitor, o que o conselho buscará que aconteça no menor tempo possível.

Reitoria da UFSCar em São Carlos — Foto: Gabrielle Chagas/G1

A 2ª Vara Federal de São Carlos (SP) havia suspendido temporariamente, por meio de uma liminar, a lista tríplice elaborada para a escolha do novo reitor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), adiando a nomeação de uma nova gestão para os 4 campi da universidade.

A decisão foi tomada em ação ajuizada pelos docentes Fernando Manuel Araújo Moreira e Fernanda de Freitas Anibal que compunham a chapa 1, batizada como ‘Por uma UFSCar Notável’ e que foi a menos votada, com 9,37% dos votos.

Eles pediram que fosse determinada a nulidade da lista tríplices com reitor e vice-reitor, confeccionadas pelo Colégio Eleitoral da UFSCar em 1º de setembro de 2020 e que fossem compostas nova lista.

A UFSCar divulgou, no início de setembro o resultado da pesquisa eleitoral (como é chamada a eleição) para a reitoria, na qual foi escolhida com 66,66% dos votos, a chapa 2 – representada pelo docente do departamento de Física, Adilson Jesus Aparecido de Oliveira, e chamada por ‘Juntos pela UFSCar’.

De acordo com o regulamento, essa eleição não decide quem será o reitor da universidade e, após a homologação do resultado, o colégio eleitoral da UFSCar deve elaborar a lista tríplice para ser apresentada ao presidente da República para que decida quem será o novo reitor.

Tradicionalmente, na UFSCar, as chapas perdedoras na pesquisa eleitoral não apresentam seus nomes – embora tenham esse direito – para a formação da lista, que acaba sendo compostas apenas por nomes dos membros da chapa vencedora, como forma de garantir que a vontade da comunidade universitária seja respeitada.

Outro ponto abordado na decisão é que no pleito deste ano não foi respeitado o peso de 70% para a manifestação do pessoal docente em relação às demais categorias e a votação foi paritária, atribuindo peso igual para docentes, discentes e servidores técnicos-administrativos.



Fonte: Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui