Câmara aprova urgência a projeto que regula homeschooling – Notícias

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (18) um requerimento de urgência para o projeto de lei que regulamenta a educação básica em casa, chamada de homeschooling. Com isso, o texto poderá ser analisado diretamente no plenário, sem a necessidade de que tenha a aprovação de comissões da Câmara. A votação pode ocorrer ainda nesta noite.


A proposta é uma das prioridades do presidente Jair Bolsonaro (PL) para este ano. Em 2019, o Executivo encaminhou um projeto ao Congresso Nacional para disciplinar o homeschooling. Como outras matérias sobre o assunto já tramitavam no Parlamento, o texto do governo foi juntado às demais proposições.



De acordo com o relatório final dos projetos, elaborado pela deputada Luisa Canziani (PSD-PR), a educação básica domiciliar será admitida no Brasil por livre escolha e sob a responsabilidade dos pais ou responsáveis legais dos estudantes. O Conselho Nacional de Educação (CNE) editará diretrizes nacionais, e os sistemas de ensino adotarão providências que assegurem e viabilizem o exercício do direito de opção pelo homeschooling.


Para formalizar a opção, pais e responsáveis devem apresentar à instituição de ensino comprovação de escolaridade de nível superior ou em educação profissional tecnológica e certidões criminais negativas.


A escola que oferecer o ensino domiciliar terá de cumprir com os conteúdos curriculares referentes ao ano escolar do estudante, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular, bem como realizar atividades pedagógicas que promovam a formação integral do estudante, contemplando seu desenvolvimento intelectual, emocional, físico, social e cultural. Nada impede que os pais ofereçam atividades extras, como cursos de línguas ou arte.



Será necessário que os colégios garantam a isonomia de direitos e vedem qualquer espécie de discriminação entre crianças e adolescentes que recebam educação escolar e educação domiciliar, inclusive no que se refere à participação em concursos, competições, eventos pedagógicos, esportivos e culturais, bem como, no caso dos estudantes com direito a educação especial, acesso igualitário a salas de atendimento educacional especializado e outros recursos de educação especial.


Os responsáveis pelos alunos precisarão enviar à escola relatórios trimestrais das atividades pedagógicas realizadas pelo estudante. O desenvolvimento do aluno terá de ser acompanhado por um professor da instituição de ensino, que a cada seis meses terá que encontrar o estudante e a família pessoalmente.


A escola ainda terá de realizar avaliações de aprendizagem e participação do estudante quando for selecionada para participar dos exames do sistema nacional de avaliação da educação básica e, quando houver, dos exames do sistema estadual ou sistema municipal de avaliação da educação básica.


De acordo com a proposta, o ensino fundamental continuará presencial, sendo o ensino a distância utilizado como complementação da aprendizagem ou em situações emergenciais.


Histórico e regulamentação


O homeschooling foi uma das bandeiras da campanha de Bolsonaro. O projeto que regulamenta a prática no país já foi aprovado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara.


A votação em urgência permite que o projeto seja discutido em plenário, sem a necessidade de passar por comissões.


Em 2018, o STF (Supremo Tribunal Federal) concluiu que ensinar os filhos em casa não feria a Constituição. No entanto, exigiu uma regulamentação para que a prática pudesse ser adotada no Brasil.


Coube à deputada Luísa Canziani elaborar um texto com balizas que famílias interessadas em ensinar os filhos em casa pudessem seguir. Entre os pontos em destaque está a necessidade de que crianças e adolescentes estejam vinculados a uma escola, pública ou privada, mesmo que não a frequentem. Caberá aos pais ou responsáveis o controle da frequência e da aprendizagem. As atividades desenvolvidas em casa deverão ser encaminhadas às escolas em que as crianças ou adolescentes estejam matriculados.


Polêmica


A educação domiciliar é um assunto polêmico em todo o mundo. Nos Estados Unidos, a prática é regulamentada; na Suécia, porém, ela é considerada crime.


No Brasil, de acordo com a Aned (Associação Nacional do Ensino Domiciliar), 11 mil famílias seguem esse modelo de ensino. As famílias argumentam que o homeschooling garante maior autonomia na educação dos filhos. Para educadores, não há como garantir a qualidade de ensino e a prática pode afetar o desenvolvimento de competências socioemocionais.


Fonte: Fonte: R7