Brasil tem desde 2017 programa de internet que Musk propõe para escolas em regiões remotas | Educação

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

O projeto –que foi batizado inicialmente de Governo Eletrônico – Serviço de Atendimento ao Cidadão (Gesac) e depois foi renomeado de Wi-Fi Brasil pelo presidente Jair Bolsonaro– foi lançado pelo então presidente Michel Temer. Ele utiliza o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC-1) com o principal objetivo de prover internet banda larga às regiões mais remotas do Brasil.

Em setembro de 2020, a Agência Espacial Brasileira (AEB) informou que o SGDC-1 fornece “cobertura de serviços de internet a 100% do território nacional”.

De acordo com informações divulgadas pela Telebras em maio deste ano, 15.705 pontos de internet haviam sido instalados em 3.055 municípios brasileiros em 5 anos de projeto, totalizando quase 9 milhões de beneficiários.

A região mais beneficiada pelo programa até maio é a Nordeste, com 7.544 pontos instalados em 1.412 municípios, seguida pela região Norte, com 4.060 pontos em 386 municípios.

O g1 questionou a Telebras e a Viasat Comunicações sobre a implementação do programa nas escolas rurais brasileiras, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

Já Elon Musk chegou ao Brasil nesta sexta-feira e não deu detalhes sobre os serviços que pretende prestar, nem quando isso aconteceria, mas disse na publicação que a Starkink deve beneficiar 19 mil escolas em áreas rurais que não possuem conexão.

Mensagem publicada por Elon Musk no Twitter ao chegar no Brasl — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Falta computadores nas escolas – não conexão, diz pesquisa

Segundo a “Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nas escolas brasileiras” (TIC Educação 2020), o Brasil possui 21.119 escolas sem acesso à internet na zona rural, número um pouco maior do que o que Musk pretende alcançar.

O menor percentual de instituições de ensino sem acesso à internet está na Região Norte:

  • Centro-Oeste: 98% têm acesso
  • Sul: 97%
  • Sudeste: 94%
  • Nordeste: 77%
  • Norte: 51%

A mesma pesquisa evidenciou que o problema não é apenas a falta de acesso à rede, mas também a baixa porcentagem de colégios da região Norte com computadores: só 63% têm alguma máquina para os alunos e funcionários usarem. A média nacional está bem acima disso (87%).

Em dezembro passado, o governo federal lançou o Programa Internet Brasil, criado para dar acesso gratuito à banda larga móvel para alunos carentes de escolas públicas — a iniciativa tinha sido vetada por Bolsonaro e depois foi criada por meio de Medida Provisória

Com investimento previsto de R$ 140 milhões, ela atenderá inicialmente somente seis municípios, todos no Nordeste, e exigirá que o estudante tenha aparelho celular, já que o acesso será pela distribuição de chips.

O leilão da internet 5G, realizado no ano passado, também tem como contrapartida o investimento na conexão das escolas. Foram garantidos R$ 3,1 bilhões para esse fim junto das operadoras que vão explorar o serviço: menos da metade do esperado, que era R$ 7,6 bilhões.

O empresário chegou ao Brasil na manhã desta sexta-feira (20) para encontro com o presidente Jair Bolsonaro, políticos e empresários.

Fonte: Fonte: G1