Aos 94 anos, estudante mais velha do mundo se matricula na escola após a morte do marido – Notícias



“Fiquei sozinha, não tinha o que fazer, então fui para a escola”, conta pernambucana Maria Edelzuíta de Souza, a dona Edelzuíta, considerada a estudante mais velha do mundo, aos 94 anos.


Ela decidiu estudar após a morte do marido. Natural de Belém do São Francisco, no interior do Estado, Edelzuítade tem nove filhos, 15 netos, três bisnetos e um trineto.


Desta forma, supera o queniano Kimani Maruge Ng’ang’a, que detinha o recorde do Guinness World Record, o livro dos recordes, aos 84 anos.


Ela está matriculada no centro de Estudos de Jovens e Adultos João Barracão, em Petrolina, onde mora. Sua matéria favorita é matemática. Agora em época de provas, conta que não erra nada do que é cobrado nos exames.


Mesmo sem conseguir ir às aulas, diz que sempre teve vontade de aprender. “Eu via meus filhos estudando e eu tinha vontade de estudar também. Eu levava e buscava eles na escola, mas era com vontade de ficar lá.”


Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu Whatsapp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram


‘É tão bom estudar, aprender as coisas’

undefined


Maria Edelzuíta de Souza conta que seu pai não a deixava ir à escola quando criança, para não “aprender a escrever cartas para supostos namorados”. Em casa, sua mãe a ensinou o alfabeto.



Ela também não pôde ir à escola quando saiu da casa dos pais, após ter se casado, pois tinha que cuidar dos filhos. O casal se mudou para Petrolina e Maria Edelzuíta começou a trabalhar como caixa de uma empresa de transportes.


Após se aposentar, continuou em casa, cuidando dos filhos e das tarefas domésticas.


A morte de seu marido, José Rufino de Souza, com quem foi casada por 60 anos, foi o que a motivou a se matricular. Ela conta que estava sozinha e entendiada.



Após voltar para casa, ela normalmente faz seu dever e vai dormir. E conta que, às vezes, acorda no meio da noite, já achando que é a manhã seguinte, quando levanta animada, querendo ir à escola de novo.


“Se eu não morrer, vou me formar ainda, porque tenho vontade de estudar muito.”


Após terminar a escola, dona Edelzuíta quer fazer faculdade de enfermagem para cuidar das pessoas. E ainda sonha em escrever um livro sobre sua vida. “Uma pessoa com 94 anos tem muito o que contar. Eu ainda tenho muito o que dizer.”


* Sob supervisão de Vivian Masutti


VEJA TAMBÉM: Baralho, macetes e musiquinhas: veja 7 dicas para memorizar fórmulas de matemática brincando




Portal R7