Adiar Enem 2021 pode trazer prejuízo de R$ 500 milhões para universidades federais, diz estudo | Enem 2021

0
26


O adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 para o ano que vem pode fazer com que as universidades federais, que atualmente utilizam a nota da prova para selecionar novos alunos, gastem R$ 500 milhões para a criação de vestibulares próprios.

É o que mostra um estudo divulgado pelo Semesp, entidade que representa mantenedoras de ensino superior do Brasil.

Como o edital do Enem ainda não foi publicado, não se sabe quando a prova será aplicada.

Documentos internos obtidos pelo G1 mostram que a avaliação estava marcada para 16 e 23 de janeiro de 2022 — mas o ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirma que são apenas “conversas de bastidores”. Segundo ele, a prova deverá ser feita em “outubro ou novembro” de 2021.

Pela análise do Semesp, marcar o Enem para o ano que vem pode inviabilizar:

  • o uso da nota da prova no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que aprova alunos para estudarem em universidades públicas;
  • o ingresso em universidades privadas que usem toda ou parte da nota do Enem em seus processos seletivos;
  • a implementação das edições de 2021 do Programa Universidade Para Todos (Prouni, que dá bolsas em instituições de ensino privadas) e do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies, usado no “empréstimo” de dinheiro para o pagamento de mensalidades).

“Considerando todos os ingressos em instituições públicas federais, estaduais e municipais, e também em privadas, incluindo Prouni e Fies, são mais de 1,1 milhão de alunos que ficarão sem aulas [em 2021], aguardando a definição do Enem“, diz Lúcia Teixeira, presidente do Semesp. “Fora estruturas físicas e corpo docente, que ficarão ociosos sem esses alunos.”

Diante disso, neste mês, o Semesp enviou três ofícios ao Inep e aos Ministérios da Educação e da Economia, solicitando o não adiamento do Enem.

O G1 entrou em contato com o Inep para saber a data de publicação do edital da prova, mas não recebeu resposta até a última atualização desta reportagem.

Por causa da pandemia de Covid-19 e pelos riscos de contaminação nas salas de aula, o Enem 2020 foi aplicado em janeiro e fevereiro de 2021.

Com o adiamento, o Prouni e o Fies usaram notas de edições anteriores da prova no processo seletivo, e o Sisu foi transferido para abril, atrasando o início do ano letivo.

A edição foi marcada por problemas logísticos (alunos barrados na sala de prova) e altos índices de abstenção.

Abaixo, assista a um vídeo com dicas de uma candidata que tirou nota mil na redação do Enem 2020:

Redação do Enem em 1 Minuto: jovem que tirou nota mil dá dicas para escrever um bom texto

Redação do Enem em 1 Minuto: jovem que tirou nota mil dá dicas para escrever um bom texto



Fonte: Fonte: G1