Twitter transfere conta do presidente dos EUA para Joe Biden, mas sem seguidores | Tecnologia

0
12


O Twitter transferiu nesta quarta-feira (20) as contas oficiais da Presidência da República dos Estados Unidos para o governo Joe Biden, após o juramento feito pelo democrata.

Os perfis tiveram seus seguidores zerados neste ano, ao contrário do que aconteceu em 2016, quando Trump “herdou” os seguidores que Barack Obama acumulou no perfil @POTUS, conta oficial do presidente dos EUA.

Antes de ser redefinida nesta quarta (20), a conta tinha 33 milhões de seguidores.

O Twitter disse que as pessoas que seguem os perfis presidenciais existentes serão notificadas que as contas estão sendo arquivadas e serão questionadas se querem seguir as páginas do governo Biden.

As publicações que Trump fez enquanto era presidente serão arquivadas no perfil @POTUS45.

Outras contas como @WhiteHouse (Casa Branca), @VP (vice-presidente) @FLOTUS (primeira-dama) e @PressSec (secretário de imprensa) também foram transferidas e tiveram os seguidores zerados.

O Twitter criou a conta @SecondGentleman para Douglas Emhoff, marido da vice-presidente Kamala Harris e primeira pessoa a ocupar essa posição.

O diretor de gestão digital de Biden, Rob Flaherty, criticou a decisão do Twitter usando a própria rede social.

Ele disse que o plano de transição foi “profundamente insuficiente” e que “quebrou com o padrão de todas as plataformas sociais de oferecer a nova administração uma base de seguidores”.

A conta pessoal de Joe Biden, que tem 21,7 milhões de seguidores, não será afetada pela transferência de contas.

Trump suspenso das redes sociais

Em 7 de janeiro, um dia depois de apoiadores de Trump invadirem o Capitólio, Facebook e Instagram bloquearam a conta do então presidente por tempo indeterminado.

A rede social disse que ele ficaria impedido de postar nessas redes sociais até pelo menos esta quarta (20), mas ainda não deu previsão para o desbloqueio do perfil.

O Twitter suspendeu de forma definitiva a conta pessoal do republicano. A rede alegou que os posts recentes do presidente incitavam a violência.

Na terça (19), o YouTube anunciou que estendeu a suspensão do canal de Trump por mais sete dias. Ele está impedido de enviar novos vídeos ou fazer transmissões ao vivo.

A plataforma também desativou indefinidamente os comentários nos vídeos do canal. O YouTube alega que a decisão está relacionada a “preocupações sobre o potencial contínuo de violência”.

VÍDEOS: Veja mais notícias de tecnologia



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui