STF manda governo fixar valor para renda básica e pagar benefício a partir de 2022 | Política

0
10


O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria nesta segunda-feira (26) para determinar ao governo federal a definição do valor de uma renda básica nacional – um benefício social a ser pago para atender às despesas mínimas de cada pessoa com alimentação, educação e saúde.

Na decisão, o STF também deve firmar prazo para que o governo Jair Bolsonaro comece a pagar, a partir do próximo ano, esse valor aos brasileiros na extrema pobreza – com renda per capita de R$ 89 a R$ 178.

O julgamento termina ainda nesta segunda, mas os 11 ministros já apresentaram seus votos. O Ministério da Economia e o Palácio do Planalto foram questionados sobre a decisão, mas ainda não se manifestaram.

Os ministros julgam em plenário virtual uma ação da Defensoria Pública da União que pede a regulamentação de uma lei de 2005 sobre o pagamento da renda básica. Segundo a DPU, a falta dessas regras complementares vem inviabilizando a criação do benefício.

Até o fim da tarde, havia maioria em apoio ao voto do ministro Gilmar Mendes, que estabelece a fixação do valor e o início dos pagamentos já em 2022 para essa faixa da população.

Seis ministros seguiram o voto de Mendes: Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Cármen Lúcia, Nunes Marques, Roberto Barroso e o presidente Luiz Fux.

O tema da renda básica voltou a ser debatido em todo o mundo em razão dos impactos econômicos da pandemia da Covid. Veja, abaixo, reportagem de 2020 sobre o tema:

ONU propõe renda básica para um terço da população mundial na pandemia

ONU propõe renda básica para um terço da população mundial na pandemia

Mendes e Toffoli chegaram a divergir sobre o prazo de implementação. O voto inicial de Gilmar Mendes previa que o governo começasse os pagamentos em até 18 meses, mas o texto foi alterado por sugestão de Toffoli.

O voto que obteve maioria em plenário diverge da posição defendida pelo relator do caso, ministro Marco Aurélio Mello. Decano da Corte, o ministro defendeu no fim de fevereiro que o governo tivesse um ano para regulamentar o tema – mas, até lá, o STF fixaria o valor do benefício em um salário mínimo (R$ 1.045, no valor atual). O voto de Marco Aurélio não estabelecia quem poderia receber o dinheiro.

“A cidadania está ligada à liberdade e à dignidade. Sem elas, tem-se verdadeira negativa da qualidade de cidadão. O fornecimento de patamar básico de recursos é pressuposto de uma vida digna e do exercício efetivo da liberdade”, afirma o voto de Marco Aurélio Mello.

Seguiram o relator, até a tarde desta segunda, os ministros Rosa Weber, Edson Fachin e Ricardo Lewandowski. O placar, no entanto, ficou em 7 a 4 pela adoção das regras defendidas por Gilmar Mendes.

Transferência de renda para os mais pobres pode frear pandemia, diz relatório da ONU

Transferência de renda para os mais pobres pode frear pandemia, diz relatório da ONU

O julgamento havia sido suspenso em março justamente a pedido de Gilmar Mendes, que apresentou seu voto divergente no último dia 16. Para o ministro, a lei prevê a implementação gradual do benefício. Mendes ressaltou a necessidade de responsabilidade com as contas públicas.

“Caso viesse a assegurar judicialmente a renda básica a todos os cidadãos brasileiros, sem qualquer gradualidade ou planejamento financeiro, o Tribunal, a um só tempo, excederia os limites que, ao longo de mais de 20 anos, foram desenvolvidos por sua jurisprudência no âmbito de mandados de injunção, mas também infringiria a progressividade aventada pelo Legislativo para a implementação do benefício monetário”, afirmou.

“Eventual concessão da tutela invocada pelo impetrante, mediante fixação arbitrária dos valores e das condições de elegibilidade das primeiras etapas de implementação da renda básica, fatalmente levaria ao desarranjo das contas públicas e, no limite, à desordem do sistema de proteção social brasileiro”, concluiu.

Sancionada em 2005 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a lei prevê o “direito de todos os brasileiros residentes no País e estrangeiros residentes há pelo menos 5 (cinco) anos no Brasil, não importando sua condição socioeconômica, receberem, anualmente, um benefício monetário”.

A lei diz que caberá ao Poder Executivo estipular o valor do benefício e prevê o pagamento de parcelas mensais, de mesmo valor, para todos os cidadãos, a fim de atender “às despesas mínimas de cada pessoa com alimentação, educação e saúde, considerando para isso o grau de desenvolvimento do País e as possibilidades orçamentárias”.

Essa regulamentação, no entanto, nunca foi publicada – e por isso, o benefício ainda não entrou em vigor. Diante da falta de regra, a Defensoria Pública da União acionou o STF e apontou omissão do Executivo em nome de um morador de rua. O voto com adesão da maioria no julgamento estende o direito à faixa de renda considerada “extrema pobreza” no país.



Fonte: G1