Secretários fixam alíquota única de ICMS sobre diesel, mas estados poderão manter valor atual | Política

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Secretários estaduais de Fazenda fixaram nesta quinta-feira (24) a alíquota única do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços que será cobrada nos combustíveis. O valor estabelecido foi de R$ 1,006 por litro de óleo diesel S10, o mais usado no país. O montante é mais alto do que o valor cobrado pela maior parte dos estados, por isso, serão aplicados descontos para manter a arrecadação de 2021 (veja mais abaixo).

A decisão foi tomada durante uma reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). A criação de uma alíquota única em todos os estados para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de combustíveis foi determinada por projeto de lei aprovado pelo Congresso e sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro no início do mês.

O governo queria que, com a mudança, houvesse uma redução no imposto estadual cobrado sobre os combustíveis. O ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a afirmar que a mudança no ICMS geraria uma redução de R$ 0,27 por litro de diesel. No entanto, os estados acharam uma forma de atender à nova regra sem interferir na arrecadação.

O valor estabelecido pelos secretários nesta quinta (24) é maior do que o cobrado pela maior parte dos estados atualmente e funcionará com um teto. Sendo assim, cada ente federativo poderá aplicar um desconto sobre o valor, para manter o que é cobrado atualmente. Somente o estado do Acre não aplicará esse desconto.

Na prática, o desconto que será dado fará com que a arrecadação dos estados com a cobrança de ICMS sobre o diesel permaneça a mesma obtida em novembro de 2021, quando os estados congelaram o valor do tributo sobre os combustíveis pela primeira vez.

“O Convênio contém em anexo um subsídio de ajuste de equalização de carga cuja repercussão não ultrapassará a arrecadação em vigor para o estado, a partir do parâmetro do congelamento de novembro”, diz o Comitê Nacional de Secretários da Fazenda, Finanças, Receitas ou Tributação dos Estados e Distrito Federal (Comsefaz), em nota.

Antes da sanção do projeto, a cobrança era feita por um percentual sobre o preço e cada estado tinha autonomia para estabelecer seu percentual. Agora, será um valor fixo para todos os estados.

A alíquota única entra em vigor em 1º de julho. Até lá, os estados mantêm o congelamento. Ou seja, o valor do ICMS sobre o diesel segue tendo como referência os preços praticados em novembro.

O Comsefaz também decidiu prorrogar o congelamento do ICMS sobre gasolina, etanol e gás de cozinha (GLP) por mais 90 dias.

Segundo o presidente do comitê, Décio Padilha, esse intervalo é suficiente para que os estados definam também a alíquota única de ICMS que incidirá sobre os outros três combustíveis: gasolina, etanol e GLP.

A necessidade de definição de uma alíquota única para cada tipo de combustível foi estabelecida na lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro neste mês.

Os estados já definiram a alíquota única sobre o diesel para evitar possíveis impactos na arrecadação. No caso específico deste combustível, a lei previa que, enquanto os estados não definissem alíquotas uniformes do ICMS para o diesel, a base de cálculo para a cobrança do imposto em cima desse combustível seria, até 31 de dezembro deste ano, a média do preço cobrado ao consumidor nos últimos cinco anos.

VÍDEOS: notícias sobre política



Fonte: G1