Relator lê parecer favorável à PEC que permite ao governo parcelar pagamento de precatórios | Política

0
10


O relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que parcela o pagamento de precatórios da União, deputado Darci de Matos (PSD-SC), leu nesta terça-feira (14) parecer favorável ao texto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

Entretanto, um pedido de vista coletiva adiou a votação na CCJ – isto é, os deputados pediram mais tempo para analisar o texto antes de votar.

Precatórios são dívidas da União com pessoas físicas, jurídicas, estados e municípios reconhecidas em decisões judiciais definitivas, ou seja, que não são mais passíveis de recursos, e que devem ser pagas pelo governo.

Especialistas alertam para riscos do parcelamento dos precatórios, as dívidas do governo que a Justiça mandou pagar

Especialistas alertam para riscos do parcelamento dos precatórios, as dívidas do governo que a Justiça mandou pagar

No parecer, o relator defende que a PEC é constitucional e que o parcelamento a partir de 2022 não viola a segurança jurídica ou a separação dos Poderes.

“Não encontramos uma solução entre os Poderes da República que alcance a necessária responsabilidade fiscal exequível de pagamentos de precatórios, compatível e/ou adaptável aos diversos cenários econômicos e sociais vivenciados ao longo da nossa história”, escreveu no parecer.

Além de ser votada na CCJ, a PEC ainda precisa ser apreciada por uma comissão especial, que pode alterar a proposta original. Na sequência, o texto deve ser votado em dois turnos nos plenários da Câmara e do Senado.

O governo federal enviou a PEC ao Congresso em agosto. O objetivo da medida é abrir espaço no Orçamento de 2022 para permitir um incremento no programa social desenhado pelo governo Bolsonaro para substituir o Bolsa Família.

No texto, o Executivo propõe o pagamento dos precatórios de acordo com os seguintes critérios:

  • Valores acima de R$ 66 milhões: poderão ser pagos em dez parcelas, sendo 15% à vista e o restante em parcelas anuais;
  • Outros precatórios: poderão ser parcelados se a soma total for superior a 2,6% da receita corrente líquida da União. “Nesse caso, o critério será pelo parcelamento dos precatórios de maior valor”, informou o governo;
  • Precatórios de pequeno valor (abaixo de R$ 66 mil): sempre estarão fora da regra de parcelamento.

Até 2021, o governo vinha pagando integralmente os precatórios. A partir do ano que vem, a despesa com sentenças judiciais passará de R$ 54,7 bilhões para R$ 89,1 bilhões — o que, segundo a equipe econômica, inviabiliza o aumento do programa social.

Em audiência pública na comissão, especialistas defenderam que o parcelamento é inconstitucional e representa um calote do governo federal. A Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão ligado ao Senado Federal, classificou a proposta do Executivo como “contabilidade criativa”.

VÍDEOS: assista a mais notícias sobre política



Fonte: G1