Reforma tributária: estados e municípios estimam perdas de R$ 27,4 bi e pedem rejeição ao texto | Economia

0
24


Representantes dos estados e municípios emitiram notas cobrando a rejeição do relatório da reforma tributária do Imposto de Renda das empresas, pessoas físicas e investimentos, apresentado nesta semana pelo relator na Câmara, deputado Celso Sabino (PSDB-BA). O texto ainda não tem data para ser votado.

Sabino, com a anuência do governo, aumentou de cinco para 12,5 pontos percentuais a redução da tributação do Imposto de Renda sobre as empresas (IRPJ), entre outras mudanças, que vão gerar uma perda líquida de arrecadação de R$ 26,95 bilhões em 2022 e R$ 30 bilhões em 2023, segundo cálculos do relator, avalizados pelo Ministério da Economia.

O Comsefaz (Comitê Nacional dos Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal) estimou que as mudanças feitas pelo relator provocarão perdas de R$ 27,4 bilhões ao estados e municípios em 2023. A Confederação Nacional de Municípios (CNM) calcula que a perda exata de receita dos municípios será R$ 13,1 bilhões.

Ou seja, da perda líquida de cerca de R$ 30 bilhões de arrecadação com a reforma em 2023, a União ficaria apenas com uma pequena parte do prejuízo (R$ 2,6 bilhões), segundo o Comsefaz e a CMN. Os governos locais assumiriam quase todo o prejuízo.

Procurados para comentar o assunto, o deputado Celso Sabino e a Receita Federal ainda não se manifestaram.

Relator da reforma tributária concluiu texto da proposta
Relator da reforma tributária concluiu texto da proposta

Relator da reforma tributária concluiu texto da proposta

Transferências constitucionais

Isso aconteceria porque a arrecadação do Imposto de Renda das empresas, recolhida pela Receita Federal, é compartilhada com governos locais, via Fundo de Participação dos Estados (FPE) e Fundo de Participação dos Municípios (FPM), duas transferências constitucionais obrigatórias.

“A proposta sabota, ainda, o pacto federativo brasileiro, pretendendo transferir mais de 90% do custo desta desoneração da renda de mais ricos com a subtração de receitas de estados e municípios”, diz o Comsefaz em carta.

A Confederação Nacional de Municípios classificou o relatório como um “escândalo”. “O relatório é um escândalo, tanto por desonerar a renda das empresas e pessoas mais ricas do país, em um momento em que o mundo tenta avançar em sentido contrário, quanto por produzir um rombo de pelo menos R$ 30 bilhões nas contas públicas”, diz a CNM em nota.

A confederação sugere que, se o governo quer reduzir a carga tributária das empresas, faça por meio da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL). A alíquota média da CSLL é de 9%, sendo maior para bancos e demais instituições financeiras. A arrecadação da CSLL não é compartilhada com estados e municípios.

“Se o Congresso Nacional deseja reduzir a carga tributária do país, que o faça preferencialmente reduzindo a contribuição social sobre o lucro líquido das empresas (CSLL) e os tributos sobre o consumo, mas não promova uma deterioração na receita do IR, tão importante para reduzir as desigualdades de renda na sociedade e na federação”, diz a Confederação Nacional de Municípios.

O Comsefaz também defende uma redução tributária sobre o consumo, e não sobre a renda. “Se o desejo do governo federal ou do relator é o de reduzir a carga tributária, que o façam reduzindo a tributação sobre o consumo e não a tributação sobre a renda, tal qual preconizado por estudos e organismos internacionais na atualidade.”

Sardenberg analisa a reação do mercado financeiro à reforma tributária e a alta no setor de serviços
Sardenberg analisa a reação do mercado financeiro à reforma tributária e a alta no setor de serviços

Sardenberg analisa a reação do mercado financeiro à reforma tributária e a alta no setor de serviços



Fonte: G1