Quase 4 em cada 10 brasileiros tinham alguma dificuldade de acesso à água antes da pandemia, aponta IBGE | Economia

0
31


Um levantamento divulgado nesta quarta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que, antes da pandemia, quase 38% da população brasileira tinha alguma dificuldade de acesso à água tratada. Além disso, mostrou que quase 20% vivia em domicílios com mais de duas pessoas dormindo em um mesmo cômodo e que 2,6% sequer tinha banheiro em casa.

Os dados são de 2019 e foram coletados por meio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad). A partir deles, o IBGE construiu os Indicadores Sociais de Moradia no Contexto Pré-Pandemia de Covid-19. O objetivo, segundo o instituto, foi identificar a parcela da população que tinha condições de, no ambiente doméstico, tomar medidas sanitárias de prevenção ao coronavírus.

“No contexto atual, no qual autoridades de saúde apontam a importância do distanciamento social e da lavagem das mãos com água e sabão para o combate à pandemia, o IBGE considera fundamental disponibilizar informações que auxiliem a superação da crise e a proteção da população frente ao grave quadro de saúde pública global”, avaliou o analista do estudo, Bruno Mandelli Perez.

De acordo com o estudo, apenas 62,2% da população contava com água tratada por meio de rede geral de distribuição, com abastecimento diário e estrutura de armazenamento. Outros 22,4% moravam em domicílios sem abastecimento diário ou estrutura de armazenamento de água, enquanto 11,9% eram abastecidos por outra forma que não a rede geral. Além disso, 3,4% dos domicílios não estavam ligados à rede geral de água nem contavam com canalização.

Pandemia agrava retrato assustador do saneamento básico no Brasil
Pandemia agrava retrato assustador do saneamento básico no Brasil

Pandemia agrava retrato assustador do saneamento básico no Brasil

As regiões Norte e Nordeste eram as que tinham as piores condições de acesso à água tratada. No Norte, 10,7% da população residia em domicílios sem canalização interna de água e abastecidos principalmente de outra forma, que não a rede geral de distribuição de água. No Nordeste, essa proporção era de 7,9%. O IBGE enfatizou que na média nacional essa proporção era de 3,4%.

Entre os estados, o Pará era o que tinha a maior proporção de pessoas nessa condição: 13,8%.

Antes da pandemia, quase 4 em cada 10 brasileiros tinham dificuldade de acesso à água tratada — Foto: Reprodução/IBGE

O IBGE destacou que havia déficit mesmo entre os domicílios que eram abastecidos pela rede geral de água. Nas áreas urbanas, 10,4% das pessoas não contavam com fornecimento diário de água tratada.

Nas áreas rurais a situação era ainda mais grave, uma vez que 18,8% das pessoas moravam em domicílios sem acesso à rede geral de abastecimento e sem canalização interna.

Mais de 5,4 milhões de brasileiros sem banheiro em casa

Outra precariedade enfatizada pelo estudo foi a falta do cômodo usado para higienização pessoal no domicílio. Faltava banheiro na casa de mais de 5,4 milhões de brasileiros, o que corresponde a 2,6% de toda a população do país. Na região Norte, essa proporção chegava a 11%.

Além do déficit no acesso à água tratada, dificultando a higienização da população, a pesquisa mostrou que as condições de moradia de parcela significativa dos brasileiros se mostravam contrárias ao distanciamento social, uma das principais medidas de contenção ao coronavírus.

De acordo com o estudo, quase 10% da população vivia em domicílios com seis ou mais moradores, o que é considerado adensamento doméstico excessivo. Para além disso, 19,7% dos brasileiros viviam em casas com mais de duas pessoas dormindo em um mesmo cômodo.

“Isso mostra a dificuldade de alguns brasileiros de praticarem o isolamento social no domicílio caso algum morador apresente algum sintoma”, apontou Bruno Perez.

A análise regional apontou que em alguns lugares triplicava a proporção de pessoas vivendo em casas com grande adensamento. É o caso do Amapá (32,5%), da região metropolitana de Macapá (32,4%) e da capital, Macapá (32,0%), que apresentaram a maior proporção de pessoas vivendo em domicílios com seis pessoas ou mais.

IBGE mapeou o adensamento domiciliar no Brasil. Amapá era o estado com a maior proporção de pessoas vivendo em um mesmo domicílio. — Foto: IBGE

A Região Norte também era a que tinha a maior proporção da população (35,4%) dormindo em cômodos com mais de duas pessoas. O estado de Roraima liderava esse ranking, com quase metade da população (46,5%) dormindo em quartos muito adensados.

Pretos e pardos mais vulneráveis

O IBGE destacou que a população preta e parda era a mais vulnerável tanto em relação ao acesso à água tratada quanto ao adensamento domiciliar.

Enquanto 4,8% das pessoas pretas e pardas viviam em casas que não tinham a rede geral como principal meio de abastecimento de água e nem canalização interna, entre os brancos essa proporção era de apenas 1,6%.

Já a proporção de pretos e pardos vivendo em casas com seis ou mais moradores era de 12,3%, contra 6,5% entre a população branca.



Fonte: G1