Produção industrial tem alta em 8 dos 15 locais pesquisados em outubro, aponta IBGE | Economia

0
21


A produção industrial cresceu, na passagem de setembro para outubro, em 8 das 15 regiões pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontam os dados divulgados nesta quarta-feira (9).

No resultado geral do país, a produção industrial cresceu 1,1% em outubro – foi a sexta alta consecutiva, mas a menos intensa do período.

O IBGE destacou que, com o resultado de outubro, nove dos 15 locais pesquisados recuperaram as perdas provocadas pela pandemia do coronavírus: Amazonas, Santa Catarina, Ceará, São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Pará e Rio Grande do Sul.

Quatro dos 15 locais pesquisados registraram altas superiores à média nacional. A maior delas ocorreu no Paraná (3,4%), seguida por Pernambuco (2,9%), Santa Catarina (2,8%) e pela Região Nordeste (1,7%).

Os outros quatro locais que registraram alta na produção industrial em outubro foram Mato Grosso (1,1%), Ceará (0,5%), São Paulo (0,5%) e Minas Gerais (0,4%).

No Rio Grande do Sul, a variação foi nula (0,0%), repetindo a mesma taxa de setembro, ou seja, manteve a produção estável.

Já as quedas foram registradas no Rio de Janeiro (-3,9%), Goiás (-3,2%), Espírito Santo (-1,8%), Pará (-1,8%), Amazonas (-1,1%) e Bahia (-0,1%).

Paraná e São Paulo puxam alta nacional

O analista da pesquisa do IBGE, Bernardo Almeida, apontou que a maior influência no resultado nacional em outubro partiu do Paraná, que registrou a maior alta. O estado registrou, assim como o setor como um todo, a sexta taxa positiva consecutiva, com ganhos acumulados de 51,5% nesse período.

Segundo o pesquisador, o resultado da indústria paranaense se deu “muito por conta do crescimento do setor de máquinas e equipamentos, bastante atuante na indústria do estado”.

A segunda maior influência partiu de São Paulo que, apesar de uma alta de apenas 0,5%, possui o maior parque industrial do país.

“Este mês, a maior influência na indústria paulista foi do setor de outros equipamentos de transporte, principalmente veículos ferroviários, com a produção de vagões”, destacou Almeida.

Esta também foi a sexta alta consecutiva da indústria paulista, que acumulou ganho de 47% no período.

“Com o resultado, São Paulo se encontra num patamar de produção semelhante ao observado em maio de 2019”, enfatizou o analista da pesquisa.

Rio de Janeiro e Goiás têm segunda queda seguida

Dentre os seis locais que registraram queda na produção, os destaques foram o Rio de Janeiro e Goiás, que registraram os recuos mais expressivos. Em ambos, foi o segundo mês seguido de queda na produção, acumulando, nesse período, perdas de 7,8% e 3,3%, respectivamente.

Segundo Almeida, o resultado da indústria fluminense foi puxado pelo setor de derivados do petróleo, enquanto a goiana, que teve a perda mais intensa desde novembro de 2019 (-6,4%), sofreu influência da diminuição do índice no setor de alimentos, muito atuante na produção local.

“O setor de derivados do petróleo e biocombustíveis também influenciou negativamente na indústria goiana”, ressaltou o pesquisador.

9 locais tiveram alta na comparação com outubro de 2019

A pesquisa mostrou que, na comparação com outubro de 2019, a produção industrial teve alta em 9 dos 15 locais pesquisados.

Santa Catarina (7,6%), Pernambuco (7,2%) e Ceará (6,1%) registraram as maiores altas. Amazonas (5,2%), Pará (4,9%), Paraná (4,8%), Rio Grande do Sul (2,6%), São Paulo (2,1%) e Minas Gerais (1,4%) completam a lista de locais com crescimento na produção, todos com desempenho superior à média nacional, que foi de 0,3%.

Já as maiores quedas foram registradas no Mato Grosso (-11,7%) e Goiás (-9,6%). Os demais recuos foram registrados no Espírito Santo (-7,6%), Bahia (-6,5%), Rio de Janeiro (-5,6%) e Região Nordeste (-0,2%).

Assista às últimas notícias de Economia:



Fonte: G1