Preços da gasolina e do diesel recuam nos postos nesta semana, diz ANP | Economia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Bomba de combustível abastece carro em posto de São Paulo. gasolina, preço da gasolina, frentista, álcool, diesel, combustíveis, reajuste, aumento. -HN- — Foto: Marcelo Brandt/G1

Os preços da gasolina e do diesel recuaram nos postos nesta semana, de acordo com dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgados nesta sexta-feira (27).

O valor do litro do diesel caiu de R$ 6,943 para R$ 6,918, o que representa uma redução de 0,4%. Na semana passada, o preço do combustível atingiu um patamar recorde, com o maior valor nominal desde que a ANP passou a fazer levantamento semanal de preços, em 2004.

O balanço desta semana da ANP também mostrou que o preço do litro da gasolina passou de R$ 7,275 para R$ 7,252, queda de 0,3%.

Por fim, o valor do etanol recuou 0,7%, para R$ 5,186 o litro.

Nesta semana, diante da disparada dos preços dos combustíveis observada ao longo deste ano, a Câmara dos Deputados aprovou um projeto um projeto que limita a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS, um tributo estadual) sobre combustíveis, energia, gás natural, comunicações e transportes coletivos. A proposta agora vai para o Senado.

Os governadores são contra o projeto. Eles dizem que a proposta vai reduzir a arrecadação dos estados, o que pode levar ao comprometimento na oferta de serviços à população.

A semana também foi marcada por mais uma troca no comando da Petrobras. Na segunda-feira (23), o Ministério de Minas e Energia informou a dispensa de José Mauro Coelho. Ele será substituído por Caio Mário Paes de Andrade, auxiliar do ministro Paulo Guedes.

Miriam Leitão sobre troca no comando da Petrobras: ‘Estelionato eleitoral’

Em 2022, a disparada dos preços dos combustíveis ocorre em meio à forte alta nos preços internacionais do petróleo após a Rússia ter invadido a Ucrânia, impactados pela oferta limitada frente a demanda mundial por energia.

Desde 2016, a Petrobras adotou o chamado PPI (Preço de Paridade de Importação), após anos praticando preços controlados, sobretudo no governo Dilma Rousseff. O controle de preços era uma forma de mitigar a inflação, mas causou grandes prejuízos à petroleira.

Pela política de preços atual, os preços cobrados nas refinarias se orientam pelas flutuações do preço do barril de petróleo no mercado internacional e do câmbio.

Fonte:G1