Poupança perde para a inflação no acumulado em 12 meses até setembro | Economia

0
17


A caderneta de poupança não teve ganho real no acumulado em 12 meses até setembro. O rendimento nominal do investimento foi de 2,67% no período – mas, se descontada a inflação, a poupança acumulou perda de 0,46%, de acordo com levantamento da provedora de informações financeiras Economatica.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, acelerou para 0,64% em setembro, acumulando alta de 3,14% em 12 meses, segundo divulgou nesta sexta-feira (9) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Rentabilidade da poupança em 12 meses — Foto: Economia G1

Em agosto, a poupança ainda registrava ganho real de 0,45% no acumulado em 12 meses. A última vez que o investimento tinha perdido para a inflação nesta base de comparação havia sido em janeiro (-0,05%).

Segundo a Economatica, o retorno negativo de 0,46% registrado em setembro é o pior no acumulado em 12 meses desde agosto de 2016, quando a poupança teve rentabilidade de -0,75%, descontado o IPCA.

No acumulado nos 9 primeiros meses do ano, porém, a poupança acumulou uma rentabilidade de 1,76%, o que representa um ganho real de 0,41%, descontada a inflação.

Mesmo não oferecendo mais ganho real, a poupança acumula uma perda menor do que a registrada por outros investimentos. O Ibovespa, por exemplo, registra perda de 19,28% em 9 meses e de 12,43% em 12 meses.

O levantamento da Economatica mostra que os investimentos com maiores retornos em 12 meses, já descontada a inflação, foram o ouro (60,17%), o euro (41,16%) e o dólar (31,33%). Já o CDI – taxa de referência de juros de empréstimos entre bancos – teve ganho real de 0,40%

O que explica a perda de rentabilidade

Apesar da aceleração da inflação, a perda de rentabilidade da poupança está relacionada principalmente com a queda da taxa básica de juros (Selic), atualmente em mínima histórica de 2% ao ano. Desde então, a correção da poupança passou a ser de 1,4% ao ano – 70% da Selic, mais a Taxa Referencial (TR).

Em 2019, a poupança já ficou sem ganho real, acumulando perda de 0,05% quando descontada o IPCA. A última vez que isso havia acontecido foi em 2015.

Em setembro, os depósitos na caderneta de poupança superaram os saques em R$ 13,228 bilhões no mês de setembro. Esse resultado levou o chamado estoque – ou seja, o saldo total em contas poupanças – a superar pela primeira vez a marca de R$ 1 trilhão.

Desde abril, quando o governo começou a pagar o auxílio emergencial a trabalhadores informais e desempregados, a poupança tem batido recordes de captação. Isso porque parte desses benefícios está sendo paga em contas poupança.

Depósitos feitos até 2012 rendem 6,5% ao ano

Vale lembrar, porém que depósitos feitos até abril de 2012, porém, continuam rendendo 6,2% ao ano mais a TR. É a chamada “velha poupança”. Relatório da XP Investimentos, mostra que 42,2% de todo o estoque da poupança ainda estão atrelados à essa regra e, portanto, com rendimento acima da taxa básica de juros.

“Esse bom retorno histórico justifica os aproximadamente 40% de todo o estoque de poupança brasileira rendendo 0,50% ao mês”, destaca a instituição financeira.

O relatório mostra ainda que mais de 106 contas detém mais de R$ 20 milhões em depósito e que cerca de pouco mais de um terço do total está em aplicações entre R$ 5 mil e R$ 50 mil.

Pela 1ª vez na história, saldo da caderneta de poupança superou R$ 1 trilhão

Pela 1ª vez na história, saldo da caderneta de poupança superou R$ 1 trilhão

Vídeos: veja últimas notícias de Economia



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui