PicPay lança empréstimo entre amigos com apoio até para calote

0
22


Desde maio de 2020, a inflação vem acelerando de forma incansável, atingindo quase 10% no período de 12 meses. Sua subida prejudica a renda das famílias e reduz o poder de compra de itens essenciais do dia a dia, tornando a vida da população mais difícil.

Leia mais: ‘Prévia da inflação’ acelera a 1,14% e é a maior para setembro desde 1994

Mas até quando os preços vão continuar subindo? Segundo economistas, a perspectiva é de que a inflação desacelere daqui para frente. Porém, uma série de fatores devem ser levados em conta durante esse processo. Além disso, mesmo que isso se concretize, a previsão é de que os preços apenas subam menos ou se mantenham no seu atual patamar.

As únicas exceções, segundo os economistas, são os produtos cuja variação de preço depende das condições climáticas, a exemplo, os alimentos perecíveis. No caso da grande parte dos produtos e serviços, os preços só reduzem quando o Produto Interno Bruto (PIB) encolhe e a economia passa a apresentar recessão.

Inflação deve desacelerar em outubro

De acordo com previsões de economistas das principais instituições financeiras, e de consultorias apuradas pelo Boletim Focus, do Banco Central (BC), a inflação deve chegar a 8,35% ao final de 2021 e fechar em 4,41% no ano de 2022.

Para que isso aconteça, é necessário que o ritmo de algumas coisas diminuam, como a alta do dólar, o preço dos alimentos, da energia e dos combustíveis. Segundo Roberto Troster, economista e especialista em setor bancário pela Troster & Associados, existe um espaço para a inflação ceder no mês que vem, porém um novo pico ainda pode acontecer:

“O problema é que controlar a inflação é como parar um carro numa ladeira. Quanto mais você demora para pisar no freio, maior a dificuldade. O mercado errou para menos em nove das últimas doze vezes em que o IPCA foi anunciado. Ainda podemos ter um pico.”

Além disso, os altos índices da inflação registrados no final do ano passado deixarão de fazer parte da conta com o passar o tempo. No próximo mês, por exemplo, será contabilizada uma inflação mensal de 0,5% em substituição a de outubro de 2020, que foi de 0,86%.

“Alimentação, energia elétrica e combustível, ainda que continuem subindo, estão desacelerando. Mas essa desaceleração será lenta, com o IPCA rodando acima de 5% até agosto de 2022”, declara Juliana Passabom, do Itaú BBA.

Mesmo com a previsão de queda nos preços, ainda há chances de a inflação disparar, sobretudo quando fatores como energia, dólar e prestação de serviços vêm apresentando forte inconstância nos últimos meses.



Fonte: R7