Passagem aérea para Orlando (EUA) está até 33% mais barata em 2 ano – Economia

0
14



As passagens aéreas nacionais e internacionais continuam com preço atrativos depois de um ano e pouco da pandemia da covid-19. É o que aponta levantamento da Kayak feito com exclusividade para o R7 Economize.


Orlando, nos Estados Unidos, é o destino que registra a maior variação negativa e está 33% mais barata, saindo por R$ 3.094. No mesmo período, a vizinha Buenos Aires, na Argentina, registrou um aumento de 41% no valor dos bilhetes. O preço médio do bilhete é R$ 2.298.



Os mais caros são para Porto Seguro (BA), por R$ 1.123 (apesar de estar 2 mais barata) e Maceió (AL), por R$ 1.1.21 (15% mais em conta).



Para fazer a pesquisa, a Kayak considerou o período de julho de 2019, considerando que muitos países fecharam as fronteiras para evitar a proliferação do coronavírus.


Dubai e Lisboa têm passagens até 30% mais baratas


Além de Orlando, outros destinos estão com passagens aéreas “com desconto”. Entre elas, estão:


• Dubai, nos Emirados Árabes;

• Lisboa, em Portugal;

• Zurich, na Suíça; e

• Nova Iorque, nos Estados Unidos.


Confira a lista completa no gráfico abaixo.



A pesquisa tem como base a média de preço das passagens aéreas com saída de todos os aeroportos do Brasil.


É importante salientar que a maior parte dos destinos internacionais ainda apresenta restrições à entrada de brasileiros.


Reembolso e remarcação de passagens valem até dezembro


O presidente Jair Bolsonaro sancionou, em 17 de junho, a lei que prorroga as medidas emergenciais adotadas pelo governo para o setor de aviação civil em razão da pandemia da covid-19.



A legislação, originária da Medida Provisória 1024/2020, estende as regras de reembolso e remarcação de passagens aéreas para voos cancelados durante a pandemia.


O texto original, editado pelo governo no final de 2020, prorrogava as medidas até 31 de outubro.



Mas no Congresso a MP sofreu alterações e os parlamentares aumentaram o prazo até 31 de dezembro deste ano.


O reembolso poderá ser feito em 12 meses a contar da data do voo cancelado, sem multa.



Fonte: R7