Para conter alta de preços, governo decide zerar imposto de importação de soja e milho | Agronegócios

0
10


A Câmara de Comércio Exterior (Camex) decidiu zerar a alíquota do imposto de importação para soja e milho, informou neste sábado (17) o Ministério da Economia.

Ambas as medidas visam conter a alta de preços no setor de alimentos, informou o governo. Em setembro, a inflação oficial do país foi de 0,64%, a maior para o mês desde 2003, resultado que foi impulsionado por alimentação e bebidas.

No começo de setembro, o governo já havia zerado, até o fim deste ano, a alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado.

Puxada pelo preço dos alimentos, inflação registra em setembro maior taxa de 2020

Puxada pelo preço dos alimentos, inflação registra em setembro maior taxa de 2020

No caso da soja, informou o governo, a redução da alíquota de importação para zero será válida até 15 de janeiro de 2021 e abrangerá grãos, farelo e óleo de soja. Até então, a alíquota de importação era de:

  • 8% para grãos.
  • 6% para farelo.
  • 10% para óleo de soja;

Já o milho foi incluído na Lista Brasileira de Exceções à Tarifa Externa Comum, com redução de 8% para zero, válida até 31 de março de 2021.

Dólar mais alto e estímulo às exportações

Nos supermercados, o óleo de soja subiu mais de 30% em setembro, quase o dobro do aumento do arroz, segundo a Associação Paulista de Supermercados.

O Brasil é o maior exportador de soja do mundo e a desvalorização do real nos últimos meses, que torna os produtos brasileiros mais baratos, tem estimulado ainda mais as vendas externas.

Países como China compram muito dos produtores nacionais e sobra menos para o nosso consumo interno.

Além disso, o dólar mais alto – a moeda norte-americana já subiu mais de 30% neste ano – também aumenta a rentabilidade dos exportadores.



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui