O que é recessão técnica? Entenda | Economia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O Brasil voltou a ter dois trimestres seguidos de queda no Produto Interno Bruto (PIB): recuou 0,4% de abril a junho, segundo dados revisados, e 0,1% de julho a setembro. No “economês”, esse fenômeno – dois trimestres seguidos de queda no PIB – é chamado de recessão técnica.

Na prática, isso serve como um sinal de alerta, uma indicação de que algo não vai bem. Mas é diferente da recessão de fato, quando a situação do país está se deteriorando significativamente, com alta do desemprego e dos índices de falência, queda da produção e do consumo.

É o que acontece no momento atual: apesar das duas quedas trimestrais no PIB, o país deve fechar o ano com crescimento próximo a 5% – sem recessão de fato.

‘Já seria uma recessão técnica’, diz Maílson da Nobrega

Qual a diferença entre recessão real e recessão técnica?

Economistas consideram que a recessão real ou “profunda” independe de haver dois trimestres negativos. Quando a maioria dos indicadores econômicos – mercado de trabalho, atividade da indústria ou vendas no comércio, por exemplo – aponta quedas consistentes, já é possível concluir que a economia está num quadro recessivo, antes mesmo da divulgação do PIB pelo IBGE.

Ou seja: os dados de dois trimestres do PIB não são o determinante para uma recessão real: é o ‘conjunto da obra’ que determina se um país está ou não nessa situação.

Qual a diferença entre crise e recessão?

Uma crise econômica não necessariamente significa que um país está em recessão, mas o contrário é sempre verdadeiro.

Crises podem ter um caráter mais temporário e menos estrutural. Já uma recessão indica uma mudança de tendência de crescimento da economia, que pode ser mais difícil de reverter.

Uma recessão, portanto, tem um caráter de uma crise mais duradoura e estrutural.

O Brasil está em recessão?

Não. Apesar dos dois trimestres seguidos de queda do PIB, os economistas não consideram que o país vive uma recessão real – ainda.

O momento atual é considerado de crise, com desemprego alto, inflação acelerada e dólar caro. Mas muitos indicadores ainda trazem dados considerados positivos: vendas do varejo e serviços, por exemplo, tiveram mais meses de crescimento do que de contração ao longo do ano.

O Brasil já esteve em recessão técnica?

Sim. A última vez foi registrada nos dois primeiros trimestres de 2020, quando o PIB ‘encolheu’ 2,3% e, em seguida, 8,9%. Mas houve várias outras ocasiões: em 2016, 2015 e 2009, por exemplo.

PIB DO TERCEIRO TRIMESTRE



Fonte:G1