O que é empreendedorismo? Especialistas respondem | Empreendedorismo

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp

Tem muito brasileiro querendo empreender: 2021 foi o 3º ano com maior interesse por empreendedorismo nas buscas do Google, desde o início da série histórica da empresa, em 2004. Na prática, os números comprovam esse interesse: só nos três primeiros meses de 2022, mais de 1 milhão de empresas foram abertas no Brasil. A grande maioria – 79% – são Microempreendedores Individuais (MEIs).

Mas afinal, o que é empreendedorismo?

Segundo definição da Endeavor, rede global de fomento ao empreendedorismo, o termo se refere à disposição para identificar problemas e oportunidades e investir recursos na criação de um negócio que seja capaz de gerar mudanças e um impacto positivo.

Para Edson Barbero, professor e coordenador do Centro de Empreendedorismo da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), o empreendedorismo é um dos grandes movimentos da sociedade atual. Além do contexto individual e do lucro de cada empreendedor, ele estimula a economia e gera empregos.

“Alguém que abre uma empresa não está apenas gerando uma maneira de ganhar dinheiro, mas também é uma forma de mudar seu entrono, melhorando a sociedade”, afirma Barbero.

Empreender é enxergar oportunidades onde ninguém vê e conseguir antecipar os desejos e necessidades de um determinado público, atendendo às demandas dessas pessoas com soluções práticas e acessíveis. Essa é a definição de Enio Pinto, gerente de Relacionamento com o Cliente do Sebrae.

“Empreendedorismo é o equilíbrio entre sonhar e realizar. Empreendedor é quem consegue equilibrar o ‘sonhar acordado’ com a concretização”, explica Enio.

Barbero lembra que empreendedorismo não está associado apenas a abertura de um pequeno negócio, mas também pode se dar no âmbito social e de grandes corporações.

“Podemos dizer que empreendedorismo é um conjunto de atitudes de pessoas que querem levar soluções inovadoras para mercados e sociedade, desenvolvendo com isso negócios e empresas“, conclui o professor.

Fonte:G1