Ministro do TCU diz que Petrobras obstruiu fiscalização na sede da empresa em 2019 | Economia

0
22


O ministro Walter Alencar Rodrigues, do Tribunal de Contas da União (TCU), afirmou nesta quarta-feira (2) que em 2019 a Petrobras obstruiu uma fiscalização na sede da empresa, no Rio de Janeiro (RJ).

O G1 procurou a Petrobras e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.

Segundo Walter Alencar Rodrigues, uma visita da equipe técnica do tribunal estava agendada para 13 de agosto de 2019, às 9h, mas, quando chegaram ao local, os auditores foram barrados por um funcionário da estatal, representante do gabinete da Presidência da Petrobras. À época, a empresa era chefiada por Roberto Castello Branco.

A fiscalização havia sido determinada no processo em andamento no TCU que avalia se mudanças implementadas desde 2013 na gestão de projetos de investimento da estatal contribuíram efetivamente para a mitigação de atrasos nos empreendimentos.

“O objetivo, claramente, era desestimular o trabalho da equipe no seu intuito de fiscalização, como vexaminosa exposição da equipe na movimentada entrada principal da empresa” afirmou Rodrigues na sessão desta quarta-feira.

A equipe da Petrobras, segundo o ministro, também não teria atendido a ofícios de requisição de informações e a pedidos para reuniões.

Diante do que foi relatado por Walter Alencar, os ministros do TCU decidiram convocar audiência com o funcionário da Petrobras para que ele preste esclarecimentos.

A Petrobras também terá de prestar esclarecimentos. Os ministros querem saber se o funcionário agiu por vontade própria ou por determinação superior e se o funcionário foi punido ou afastado.

A convocação de Roberto Castello Branco será decidida posteriormente, após os primeiros esclarecimentos sobre o caso.

Na mesma sessão, o ministro Benjamin Zymler disse que, em um processo que está relatando, está tendo dificuldade para acessar contratos relativos à Petrobras, porque escritórios de advocacia que representam a estatal estariam barrando o acesso, sem justificativa plausível.

“Há indícios que a Petrobras tem obstaculizado o trabalho de técnicos desse tribunal”, afirmou Zymler.



Fonte: G1