Minério de ferro recua após China indicar continuidade da política de zero Covid

Por Enrico Dela Cruz

(Reuters) – Os contratos futuros de minério de ferro registraram perdas nesta sexta-feira, já que a China indicou que controlar os surtos de Covid-19 ainda era uma prioridade, embora no acumulado da semana o ingrediente siderúrgico permanecido no caminho para a maior alta desde março.

O contrato de minério de ferro mais negociado em setembro na Bolsa de Cingapura caiu 3,7%, a 114,30 dólares a tonelada, após ter atingido na sessão anterior seu maior nível desde 30 de junho, a 119,90 dólares.

Na bolsa de commodities de Dalian da China, o minério de ferro em setembro encerrou as negociações em alta de 1,8%, a 782 iuanes (116,11 dólares) a tonelada, abaixo do pico de quatro semanas de quinta-feira, de 798,50 iuanes.

A China está aderindo à sua política “dinâmica zero-Covid”, disse a mídia estatal após uma reunião do Partido Comunista na quinta-feira.

“Parece-nos que qualquer mudança na política de zero Covid só acontecerá quando as autoridades estiverem convencidas de que as mutações são menos virulentas e as vacinas/medicamentos são comprovadamente mais eficazes. É improvável que aconteçam no curto prazo”, disseram analistas do ANZ em nota.

Os mercados de minério de ferro e aço sofreram perdas no segundo trimestre, uma vez que os lockdowns da Covid-19 na China reduziram a demanda no maior produtor e consumidor de aço do mundo.

Mas o minério de ferro se recuperou esta semana, com o material com teor de 62% ganhando cerca de 15% no mercado spot na quinta-feira, a 117,50 dólares por tonelada, em resposta à ampliação das margens do aço e otimismo sobre as perspectivas de demanda nos próximos meses. Já na sexta-feira, a cotação baixou 0,50 dólar, a 117 dólares.

(Por Enrico Dela Cruz em Manila)

Minério de ferro recua após China indicar continuidade da política de zero Covid








Fonte: Mix Vale