Indicador de incerteza da economia sobe em junho, agora aos 122,3, aponta FGV | Economia

0
17


O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br), do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), subiu 2,4 pontos em junho, para 122,3 pontos. Com o resultado, o indicador ainda está 7,2 pontos acima do nível de fevereiro de 2020, último mês antes da chegada da pandemia de Covid-19 ao Brasil.

Incerteza subiu em junho — Foto: Marília Marques/G1

“Além das incertezas com relação aos rumos da pandemia e às dificuldades enfrentadas nas campanhas de vacinação, a alta do Indicador de Incerteza em junho contou com novos ruídos, como a possibilidade de uma crise energética e o desenrolar da CPI da Covid-19 e da reforma tributária no congresso”, afirma Anna Carolina Gouveia, economista do FGV Ibre, em comentário no relatório.

“O novo repique faz com que o indicador volte a ficar acima dos 120 pontos e, logo, mais distante da normalização dos níveis de incerteza. A única notícia positiva do mês foi o recuo do componente de Expectativa, que retornou pela primeira vez ao nível pré-pandemia, de janeiro de 2020”, diz.

Os dois componentes do Indicador de Incerteza caminharam em sentido oposto em junho. O componente de Mídia subiu 4,7 pontos, para 121,7 pontos, contribuindo positivamente em 4,1 pontos para a alta do IIE-Br no mês. O componente de Expectativas, que mede a dispersão das previsões para os 12 meses seguintes, recuou em 7,7 pontos, para 115,7 pontos, contribuindo de forma negativa, em 1,7 ponto, para a evolução na margem do indicador agregado.

“O componente de Expectativa recua ao menor nível desde janeiro de 2020 e é a primeira vez que recupera as altas ocorridas de março a maio do mesmo ano. Dentre as variáveis usadas na construção deste componente, a queda mais expressiva foi na dispersão das previsões dos juros Selic, sinalizando que a percepção pelos mercados sobre o timing e a intensidade do atual ciclo de alta dos juros está se tornando gradualmente mais homogênea”, completa Anna Carolina.

Vídeos: Últimas notícias de economia



Fonte: G1