Impacto econômico da pandemia afeta mais norte-americanos com menor escolaridade, mostra Fed | Economia

0
8


A pandemia de coronavírus teve um impacto mais devastador sobre os norte-americanos com níveis mais baixos de escolaridade e aqueles menos preparados financeiramente para lidar com um golpe como esse, de acordo com um relatório divulgado nesta segunda-feira (17) pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA).

O abismo financeiro entre adultos com diploma de bacharel e aqueles com menos do que um diploma de ensino médio aumentou durante a pandemia, o que causou perdas de empregos que afetaram desproporcionalmente trabalhadores de baixa renda, de acordo com a Pesquisa de Economia Doméstica e Tomada de Decisão do banco central dos EUA, divulgada anualmente.

“Mesmo com a melhora da economia, podemos certamente ver que alguns ainda estão lutando, especialmente aqueles que perderam seus empregos e aqueles com menos escolaridade, muitos dos quais ficaram para trás”, disse a diretora do Fed Michelle Bowman em um comunicado.

Nos EUA, pessoas totalmente vacinadas contra Covid não precisam mais usar máscara

Nos EUA, pessoas totalmente vacinadas contra Covid não precisam mais usar máscara

Cerca de 89% dos adultos com pelo menos um diploma de bacharel disseram que estavam indo pelo menos “bem” financeiramente, em comparação com 45% daqueles que não têm diploma de ensino médio, de acordo com a pesquisa realizada em novembro de 2020. Essa lacuna aumentou para 44 pontos percentuais em 2020, de 34 pontos percentuais em 2019.

A divisão também se estendeu por linhas raciais, embora em menor grau. Menos de dois terços dos adultos negros e hispânicos disseram que estavam pelo menos “bem” financeiramente em 2020, em comparação com 80% dos adultos brancos e 84% dos adultos asiáticos. A diferença entre adultos brancos e adultos negros e hispânicos cresceu 4 pontos percentuais desde 2017.

A parcela geral de adultos que disseram estar em pior situação financeira em comparação com o ano anterior aumentou para quase 25% no fim de 2020, de 14% em 2019.

Mas, apesar desse aumento, a maioria dos norte-americanos acreditava que ainda estavam, pelo menos, “bem” financeiramente. Cerca de 75% dos adultos disseram que estavam vivendo confortavelmente ou indo “bem” financeiramente em novembro, parcela que oscilou ao longo do ano, mas terminou no mesmo nível de 2019.

A pesquisa constatou que alguns pais ficaram impossibilitados de trabalhar durante a pandemia devido a interrupções do atendimento de creches e do ensino presencial. Cerca de 9% dos pais disseram que não estavam trabalhando e 13% estavam trabalhando menos por causa dessas interrupções em novembro. Isso representou um declínio de cerca de 2 pontos percentuais na proporção de adultos que trabalhavam em geral.



Fonte: G1