Ibovespa fecha em alta mesmo com temor por aumento mais agressivo de juros no mundo | Economia

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


O Ibovespa, principal índice de ações da bolsa de valores de São Paulo, a B3, fechou em alta nesta quinta-feira (12), mesmo com investidores bastante incertos sobre os rumos da inflação global e se a rápida alta dos preços nas principais economias pode desencadear altas ainda maiores de juros.

O Ibovespa subiu 1,24%, a 105.688 pontos. Veja mais cotações.

Na quarta-feira, a bolsa fechou em alta de 1,25%, a 104.397 pontos. Com o resultado de hoje, passou a acumular alta de 0,53% na semana, queda de 2,03% no mês, e alta de 0,83% no ano.

Ano +0,83/ Mês -2,03 e Semana +0,53

Finlândia abandona neutralidade militar e anuncia intenção de ingressar na Otan

O que está mexendo com os mercados?

Os mercados seguem guiados por temores de uma maior desaceleração da economia global, conforme mais altas de juros são esperadas pelo mundo para conter a inflação.

“Esperamos que os dados da inflação continuem sendo uma preocupação central tanto para as autoridades quanto para os investidores nos próximos meses”, disse Mark Haefele, diretor de investimentos do UBS Global Wealth Management.

Por aqui, a expectativa é que o Banco Central continue elevando os juros em meio a uma inflação persistente, que há 8 meses permanece acima de 2 dígitos.

O Itaú passou a projetar um IPCA de 8,5% em 2022 e de 4,2% em 2023. “O balanço de riscos para nossa projeção de inflação neste ano segue assimétrico para cima, dado que vemos a possibilidade de novas altas nos preços internacionais do petróleo e derivados com anúncios de sanções pela União Europeia à Rússia – algo que pode elevar ainda mais nossa projeção de preços administrados no curto prazo”, avaliou.

O IBGE divulgou nesta quinta crescimento de 1,7% no volume de serviços prestados no Brasil. Foi a segunda alta seguida e o melhor resultado para meses de março desde 2011, quando teve início a série histórica da pesquisa..



Fonte: G1