IBGE está pronto para realizar o Censo em 2021, mas aguarda recursos, diz Rios Neto | Economia

0
12


O novo presidente do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eduardo Rios Neto, disse nesta sexta-feira (30) que o órgão tem protocolos prontos para a realização do Censo em 2021, mesmo em meio à pandemia do coronavírus, mas cabe ao órgão esperar por recursos e avaliar gravidade epidemiológica para que a pesquisa seja realizada.

Na semana passada, o Ministério da Economia informou que o Orçamento de 2021 não trazia recursos para a realização do Censo Demográfico e que, portanto, a pesquisa seria novamente adiada. O montante aprovado destina apenas R$ 71 milhões para a pesquisa – menos de 5% do custo acordado.

O corte foi amplamente criticado, pois a falta de realização do Censo compromete a eficiência das políticas públicas brasileiras. Atendendo a reclamações na Justiça, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quarta-feira (28) que o governo federal tome as providências para realizar o Censo.

Segundo Rios Neto, o IBGE tem capacidade de realizar a pesquisa, mas o aporte de recurso maior é preciso “a fim de garantir a economicidade e a tecnicidade das atividades de planejamento”.

“O projeto do Censo Demográfico está pronto e estamos preparados para sua realização em 2021”, disse o presidente do IBGE.

Segundo ele, inclusive, a evolução da Covid-19 será determinante para o início dos trabalhos, mas afirma que os protocolos de saúde estão em “constante aperfeiçoamento” e a coleta poderia inclusive misturar visitas presenciais e preenchimento de informações por meio digital.

O economista cita como exemplo a adaptação feita pelo IBGE para as pesquisas de emprego do instituto (Pnad Contínua) e a criação da Pnad Covid, ambas realizadas por telefone. Parte da sondagem do Censo, porém, precisa se manter presencial e será avaliado o risco à população e aos recenseadores para que todos tenham segurança do ponto de vista sanitário.

“Recomposto o orçamento e avaliada a tecnicidade, tomaremos a decisão [de iniciar]. Houve uma relativa desmotivação em segmentos do IBGE, parte pelo temor da pandemia e parte pelo corte de recursos. Com o dinheiro volta e uma avaliação técnica da pandemia, avaliaremos a volta. Há um relativo grau de incerteza da pandemia”, diz.

Rios Neto não soube precisar se o prazo para realizar a pesquisa pode aumentar com novos protocolos. Os concursos para recenseadores, por exemplo, continuam suspensos e é perfeito exemplo de como uma demora de chegada dos recursos pode inviabilizar a coleta de dados.

“Neste momento, compete ao instituto assistir os poderes, executivo e legislativo, assim como prestar as informações técnicas necessários aos Judiciário para que os desdobramentos da referida liminar sejam avaliados, tendo em vista os parâmetros técnicos e o bem comum do país”, disse.

IBGE confirma indicação de Eduardo Luiz Rios Neto para presidência do Instituto

IBGE confirma indicação de Eduardo Luiz Rios Neto para presidência do Instituto

Antigo diretor de Pesquisas do IBGE, Rios Neto é formado em Economia, possui doutorado em Demografia, é membro da Academia Brasileira de Ciências e professor titular aposentado da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

A indicação dele para o cargo aconteceu após Susana Cordeiro Guerra pedir exoneração do cargo de presidente do instituto alegando “motivos pessoais e de família”. Ela deixou o comando do IBGE após forte redução de recursos para o Censo 2021.

Susana e Rios Neto assinaram, juntos, artigo publicado em março pelo jornal “O Globo” e reproduzido na página do IBGE no qual afirmaram que o país ficará em risco sem as informações censitárias.

“Sem o Censo em 2021, as ações governamentais pós-pandemia serão fragilizadas pela ausência das informações que alicerçam as políticas públicas com impactos no território brasileiro, particularmente em seus municípios”, afirmaram Susana Guerra e Eduardo Rios Neto.

VÍDEO: Censo 2021 é essencial para políticas públicas, mas corre riscos com corte de verba

VÍDEO: Censo 2021 é essencial para políticas públicas, mas corre riscos com corte de verba



Fonte: G1