Guedes fala em ‘reorganização interna’ na Economia, após Bolsonaro indicar reforma ministerial | Economia

0
19


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (21) que a pasta vai passar por uma “reorganização interna”, que vai envolver a área de “emprego e renda”. Guedes deu a declaração pouco depois de o presidente anunciar que uma pequena reforma ministerial será divulgada na segunda-feira (26).

O blog da Natuza Nery já havia adiantado, nesta terça (20), que Bolsonaro deve recriar o Ministério do Trabalho. A pasta, no início do governo dele, foi absorvida pela Economia e ficou sob a alçada de Guedes.

O ministro falou sobre a reorganização interna durante a apresentação dos dados da arrecadação federal em junho.

“Tem novidade até na nossa organização estrutural, vamos fazer uma mudança organizacional aqui também, essas novidades são justamente na direção de emprego e renda”, afirmou o ministro.

Guedes disse que as mudanças serão para “acelerar o ritmo de criação de empregos”.

“Já estamos criando 1 milhão e 300 mil empregos [formais] nos primeiros meses deste ano, e vamos acelerar o ritmo de criação de emprego, inclusive com uma reorganização nossa interna, são novidades que o presidente deve trazer rapidamente”, disse o ministro.

Bolsonaro estuda recriar Ministério do Trabalho para Onyx Lorenzoni e Ciro Nogueira é cotado para Casa Civil
Bolsonaro estuda recriar Ministério do Trabalho para Onyx Lorenzoni e Ciro Nogueira é cotado para Casa Civil

Bolsonaro estuda recriar Ministério do Trabalho para Onyx Lorenzoni e Ciro Nogueira é cotado para Casa Civil

Desmembramento na Economia

Se confirmada a mudança, será o primeiro desmembramento na estrutura do Ministério da Economia, desenhada por Guedes.

A pasta é resultado da fusão dos antigos Ministérios da Fazenda, do Planejamento, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e do Trabalho, além de absorver as funções do Ministério da Previdência, que já tinha sido extinto em 2015.

Guedes criou o “superministério” da Economia para concentrar as decisões sobre política econômica em suas mãos.

Atualmente, o Ministério da Economia conta com oito secretarias especiais. Uma delas é a secretaria especial de Previdência e Trabalho, comandada por Bruno Bianco Leal. Antes, a secretaria foi comanda por Rogério Marinho, que saiu para virar ministro do Desenvolvimento Regional.

A secretaria especial de Previdência e Trabalho foi a responsável, até aqui, pela reforma da Previdência, contrato de trabalho Verde Amarelo (que foi extinto), revisão das normas regulamentadoras do trabalho, entre outros projetos.



Fonte: G1