Grupo de direitos dos animais bloqueia centros de distribuição do McDonald’s no Reino Unido | Mundo

0
20


Cerca de 50 ativistas do grupo Animal Rebellion bloquearam os centros de distribuição do McDonald’s no Reino Unido neste sábado (22), exigindo que a empresa faça uma transição para oferecer somente alimentos de origem vegetal até 2025.

Os manifestantes, que defendem o direito dos animais, usaram caminhões e estruturas de bambus para impedir que caminhões saíssem de quatro centros de distribuição: Hemel Hempstead, Basingstoke, Coventry e Heywood.

O bloqueio começou por volta das 4:30 da manhã, no horário do Reino Unido, e o grupo disse que permaneceria nas instalações por pelo menos 24 horas para interromper a cadeia de suprimentos da empresa.

“Bloquear pelos direitos dos trabalhadores, justiça animal e para acabar com a emergência climática. Agimos para que as empresas globais saibam que precisam mudar”, disse o grupo em sua conta no Twitter.

Imagens divulgadas pela Animal Rebellion mostraram uma réplica do logotipo do McDonald’s com tinta vermelha, simulando sangue, e alguns manifestantes ficaram suspensos em estruturas de bambu no portão de um dos centros de distribuição.

Uma porta-voz do McDonald’s no Reino Unido pediu desculpas aos clientes por qualquer interrupção, segundo informou a agência de notícias Reuters.

Manifestantes suspensos em bambus bloqueiam portão de um dos centros de distribuição do McDonald’s — Foto: Reuters

Ao jornal britânico The Guardian, o porta-voz da Animal Rebellion, James Ozden, disse que a ação teve o objetivo de cobrar a indústria da pecuária por sua participação na crise climática global.

“A indústria de carnes e laticínios está destruindo nosso planeta: causando enormes quantidades de desmatamento da floresta tropical, emitindo imensas quantidades de gases de efeito estufa e matando bilhões de animais a cada ano”, disse ele.

“A única maneira sustentável e realista de alimentar 10 bilhões de pessoas é com um sistema alimentar baseado em plantas”, acrescentou.

VÍDEOS: mais notícias internacionais



Fonte: G1