Governo pretende injetar R$150 bi na economia antes das eleições

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp


Economia é a ciência que analisa a produção, distribuição e o consumo de bens e serviços. Do ponto de vista social, o termo se refere ao conjunto de estudos científicos sobre a atividade econômica, com a criação de teorias e modelos. Estes, por sua vez, podem ser aplicados à gestão econômica, que é o lado prático da economia.

Leia mais: Conflito no leste europeu abala economia mundial

Portanto, a ciência econômica está sempre analisando os principais problemas econômicos: o que produzir, quando produzir, em que quantidade e para quem produzir.

Cada vez mais, esta ciência é aplicada a campos que envolvem pessoas em decisões sociais, como os setores religioso, industrial, educação, política, saúde, instituições sociais, guerra etc.

Analisando esse viés, o governo federal anunciou na última quinta-feira (17) um pacote de medidas que irá injetar mais de R$150 bilhões na economia brasileira e aumentar o poder de compra, especialmente da população de baixa renda.

Medidas para aquecer a economia

Até então, o presidente Jair Bolsonaro assinou três medidas provisórias, além de um decreto que antecipa o 13° salário para aposentados e pensionistas.

De acordo com o Ministério do Trabalho e Previdência, a primeira medida desse pacote visa criar o programa SIM Digital, que flexibiliza o microcrédito para empreendedores e pode beneficiar até 4,5 milhões de pessoas nos próximos meses.

A segunda medida do pacote visa ampliar a margem de empréstimos consignados para aposentados e pensionistas, passando dos atuais 35% do valor do benefício para até 40%.

A expectativa é que os usuários do programa Auxílio Brasil, além de idosos e pessoas com deficiência beneficiárias do BPC/LOAS também terão acesso aos empréstimos com juros mais baixos. De fato, essa medida deve atingir 50 milhões de brasileiros e entregar cerca de R$77 bilhões em empréstimos consignados para esse público.

Ademais, no intuito de amenizar os efeitos econômicos da crise sanitária, o 13° salário antecipado deve ser pago a cerca de 30,5 milhões de aposentados e pensionistas, o que irá injetar aproximadamente R$56,7 bilhões na economia.

O Ministério do Trabalho destacou que a antecipação não tem impacto orçamentário e nem acréscimo à despesa prevista para o ano. A primeira parcela do 13º corresponde a 50% do valor do benefício que será paga em abril e a segunda em maio.



Fonte: R7