FMI reduz para 7,9% previsão de crescimento na China em 2021 | Economia

0
13


O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu nesta sexta-feira (8) em 0,3 ponto sua previsão de crescimento para a China em 2021, para 7,9%, devido às consequências da pandemia de coronavírus que ainda afetam fortemente a demanda interna.

A China, onde o novo coronavírus apareceu no final de 2019, conseguiu praticamente erradicar a Covid-19 no início do ano passado e deve ser a única grande economia com crescimento positivo em 2020.

O FMI espera que a China cresça 1,9% em 2020, previsão inalterada em relação ao prognóstico de outubro, embora continue sendo o pior número para a China desde 1976, antes do início da era das reformas econômicas.

Apesar do abalo da pandemia, a China deverá ser a única grande economia a registrar crescimento em 2020, segundo as projeções internacionais.

O resultado oficial do PIB para 2020, juntamente com o do último trimestre, será anunciado em 18 de janeiro. Em 2019, o gigante asiático registrou um crescimento de 6,1%, o menor em três décadas.

“A economia chinesa continua se recuperando rapidamente da pandemia, graças aos grandes esforços para conter o vírus e às rápidas medidas políticas para mitigar o impacto da crise”, observa o FMI em relatório sobre o país.

“Mas o crescimento é desequilibrado, pois a recuperação depende em grande parte do setor público, enquanto o consumo privado está ficando para trás”, aponta o Fundo, destacando que a pandemia “acrescentou muitas vulnerabilidades”, especialmente a dívida, que enfraquece a economia.

Dessa forma, o déficit orçamentário deve aumentar para 18,2% do PIB em 2020, ante 12,6% em 2019, segundo o FMI.

Recuperação e perspectivas

A economia chinesa foi capaz de se recuperar e de “se adaptar” à pandemia, graças, em particular, ao comércio online e à forte demanda por produtos relacionados à própria Covid-19 no exterior, mas a atividade deve permanecer “abaixo de sua capacidade a médio prazo”, de acordo com o Fundo.

Alguns setores continuam sendo fortemente afetados, principalmente os de hotéis, restaurantes e lazer.

O FMI também alerta que medidas de distanciamento para prevenir a epidemia “continuarão a travar” a atividade do setor de serviços neste ano.

A paralisação da economia no início do ano passado pela epidemia fez o PIB da China despencar 6,8% no primeiro trimestre, antes de recuperar 3,2% no segundo, e 4,9%, no terceiro.

China nega que tenha barrado investigadores da OMS

China nega que tenha barrado investigadores da OMS



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui