Fluxos de mercados emergentes diminuem para ponto mais fraco desde abril de 2020, diz IIF | Economia

0
9


Fluxos líquidos estrangeiros em carteiras de ações e dívidas de mercados emergentes desaceleraram em março para o seu ponto mais fraco em quase um ano, mostraram dados do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) nesta segunda-feira (5).

A perda de ritmo acontece à medida que o aumento dos rendimentos dos EUA continua a pesar sobre os mercados emergentes, com os fluxos excluindo a China fazendo pouca diferença no mês passado.

A estimativa de fluxos líquidos de US$ 10,1 bilhões em março foi o menor valor mensal desde abril de 2020 e se compara a entradas líquidas revisadas para baixo de US$ 23,4 bilhões em fevereiro.

A China absorveu quase 90% dos fluxos líquidos no mês passado, com US$ 3,8 bilhões indo para ações e US$ 5 bilhões para instrumentos de dívida chinesas. Excluindo a China, as ações dos mercados emergentes canalizaram US$ 0,2 bilhão, enquanto US$ 1,2 bilhão foram para dívidas não chinesas.

“Apesar das leituras decepcionantes, algum suporte positivo aos fluxos permanece, decorrente do aumento dos preços das commodities e da dinâmica construtiva do balanço de pagamentos”, disse o IIF em nota. “Nossa opinião é que o risco de contágio é menos grave do que durante a liquidação dos mercados emergentes em 2018 ou durante a taper tantrum de 2013.”



Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui